O comentário de Gilson Aguiar

Justiça injusta: entre celetistas e estatutários