Os primeiros representantes eleitos por Maringá - História das Eleições

Podcast

Os primeiros representantes eleitos por Maringá - História das Eleições

Podcast por Reginaldo Dias em 23/09/2020 - 10:07

O História das Eleições é apresentado pelo professor e historiador Reginaldo Dias. 

Ouça o terceiro episódio:

Olá, pessoal, vamos abordar hoje como o povo do distrito de Maringá elegeu seus primeiros representantes para a Câmara Municipal de Mandaguari.


Maringá se tornou distrito do recém-criado município de Mandaguari em outubro de 1947. De início, exerceu o cargo de prefeito no novo município o Sr. Ary Pereira da Cunha, nomeado pelo governador, mas em dezembro daquele ano ocorreu uma empolgante eleição para prefeito e vereadores.


Naquele momento, já vinham sendo formados, aqui em Maringá, os partidos que passariam a arregimentar os candidatos e os votos. Os mais influentes foram o Partido Social-Democrático (PSD), liderado no Paraná pelo governador Moyses Lupion, o Partido Republicano, liderado no Paraná pelo governador Bento Munhoz da Rocha, a União Democrática Nacional (UDN), apoiada aqui na região pelos dirigentes da companhia de terras do Norte do Paraná. Logo viriam a ser formados o Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), liderado pelo presidente Getúlio Vargas, o Partido Social Progressista (PSP), liderado pelo governador de São Paulo Ademar de Barros. E o Partido da Representação Popular (PRP), liderado nacionalmente por Plínio Salgado.


Em dezembro de 1947, disputaram a preferência dos eleitores três candidatos a prefeito de Mandaguari: Décio Pullin (Partido Social Democrático), Waldemar Gomes da Cunha, conhecido como Waldemar Barbudo (União Democrática Nacional) e Aleixo Leão de Oliveira (Partido da Representação Popular).


O eleito foi o candidato Décio Pullin, do PSD, que venceu o candidato apoiado pela companhia de Terras do Norte do paraná, o Waldemar Gomes da Cunha.
Para o distrito de Maringá, o fato marcante foi a eleição dos dois primeiros vereadores: Arlindo Planas (UDN) e Napoleão Moreira da Silva (PSD). Os dois viriam ser eleitos vereadores, em futuro próximo, para a Câmara Municipal de Maringá.


Nessa eleição de 1947 podemos detectar a formação da liderança política de Maringá. De um lado, Napoleão Moreira da Silva; de outro, os irmãos PLANAS, Ângelo e Arlindo Planas.


A posição que Ângelo Planas e Napoleão Moreira da Silva detinham como comerciantes permitia a formação de um amplo círculo de relações. No seu livro Terra Crua, o escritor Jorge Duque Estrada explicou que os armazéns de Ângelo Planas e Napoleão Moreira da Silva “eram verdadeiras cooperativas, que ajudaram a ‘formar’ inúmeros sítios, fazendas e chácaras”. Podemos acrescentar que eles fizeram muitos amigos e muitos desses amigos se tornaram seus eleitores.


Em 1951, houve nas novas eleições para prefeito e vereadores. Na abrangente área do município de Mandaguari, houve uma explosão populacional, e isso se refletia na ampliação do eleitorado e número de representantes. Em um certame eleitoral muito disputado, foi eleito prefeito municipal o candidato Antônio Sinézio da Cruz (PTB). Nas 10 urnas instaladas em Maringá, constata-se que os moradores do distrito também preferiram Antônio Sinésio da Cruz.


O mais importante é que houve a ampliação da representação local na Câmara de Vereadores. Maringá elegeu 4 vereadores: Henrique Pinto Pereira (UDN), Waldomiro Planas (PR), José Jardim Siqueira (PTB) e José Inocêncio Neto (PTB). Henrique Pinto Pereira não assumiu sua cadeira; tomou posse o seu suplente, David Rabelo de Oliveira, também com domicílio em Maringá.


Quando ocorreu essa eleição, porém, o foco político já era outro. Em 14 de novembro foi APROVADA A LEI 790/51, que desmembrou o município de Mandaguari e criou o município de Maringá. Maringá não queria mais ser representada em Mandaguari. Queria ter o seu próprio prefeito e a sua Câmara Municipal. Falarei disso em nosso próximo encontro.