Sindicato apoia projeto, mas discorda quanto à estágio probatório
Foto: Sismmar

Celetistas e Estatutários

Sindicato apoia projeto, mas discorda quanto à estágio probatório

Por Victor Simião em 18/10/2019 - 10:23

Na iniciativa da Prefeitura, celetista que quiser se tornar estatutário deverá passar por três anos de experiência, mesmo já sendo servidor do município. Atualmente, Prefeitura tem 900 funcionários regidos pela CLT.

Player Ouça a reportagem

O Sindicato dos Servidores Municipais de Maringá apoia o projeto de lei que permite a alteração de regime jurídico de trabalho. É uma proposta que irá autorizar que celetistas se tornem estatutários, caso se enquadrem em uma série de regras.  A iniciativa da Prefeitura Municipal já está na Câmara, aguardando o parecer da Comissão de Constituição e Justiça. Desde o mês passado, tem despertado posicionamentos de diversas entidades, como a CBN tem divulgado em uma série de reportagens nesta semana.

O Sismmar é favorável porque cria condições de estabilidade para os servidores, segundo o sindicato.  

Atualmente, o município tem 12 mil servidores. 900 são celetistas. A maior parte deles em programas da Saúde, criados por conta do Governo Federal. A Prefeitura de Maringá relatou que, se houver a mudança de regime, deverá haver uma redução nos gastos em um primeiro momento. Por outro lado, não disse como a situação ficará no futuro. Um estudo atuarial informou que pode haver um déficit na Previdência, mas uma mudança de 0,52% na contribuição patronal já sanaria o problema. 

Dados do município registraram que os 915 celetistas da Prefeitura custavam R$ 3, 535 milhões mensalmente aos cofres públicos, em 2018. Se todos se tornassem estatutários, o valor seria reduzido para R$ 3 milhões. A diferença, R$ 535 mil, seria devido à redução no pagamento das alíquotas de contribuição, diferentes entre os regimes CLT e estatutário, gerando economia anual de R$ 6 milhões. Não havia, por outro lado, informações claras sobre o impacto no futuro futuro.

Essa falta de dados futuros foi criticada por entidades como Observatório Social, Conselho de Desenvolvimento Econômico e também por parlamentares. 

O Sismmar acompanha o processo desde o início, em 2017.  E só é contrário a um tópico: o de estágio probatório. Nesse projeto de lei enviado à Câmara, o município prevê que quem quiser se tornar estatutário terá de passar por essa experiência mais uma vez.  O sindicato quer mudar esse entendimento, disse a presidente da entidade, Iraídes Baptistoni.

Uma série de regras foi criada para os celetistas que quiserem se tornar estatutários. Uma delas informa que o tempo de contribuição como celetista não será contado para o valor da aposentadoria do estatutário, além, claro, do estágio probatório. A Prefeitura, segundo apurou a CBN Maringá, estima que esses servidores não terão progressões de carreira durante até cinco anos- o que poderia, de acordo com o Executivo municipal - gerar economia. Além disso, somente o celetista que manifestar interesse entre os 120 dias após a vigência da lei poderá mudar de regime; e se não estiver de licença sem remuneração nem recebendo benefícios da Previdência Social.

Por conta desses itens, o Executivo municipal calcula que no máximo 400 celetistas solicitem a alteração.. 

Apesar das críticas feitas por entidades como o Observatório Social e dos pareceres técnicos contrários à proposta, a Prefeitura de Maringá decidiu manter o projeto de lei. A medida é uma das promessas de campanha de Ulisses Maia.

 

Notícias Relacionadas

Notícias da mesma editoria