Pais e professores contra e a favor de aulas presenciais se manifestam em frente à Câmara de Maringá
Manifestantes contrários e favoráveis a volta às aulas de forma presencial se concentraram em frente a Câmara Municipal (foto: Luciana Peña/CBN Maringá)

Polêmica

Pais e professores contra e a favor de aulas presenciais se manifestam em frente à Câmara de Maringá

Política por Luciana Peña em 23/02/2021 - 13:07

Os manifestantes foram acompanhar a votação de um projeto de lei apresentado em regime de urgência que proíbe a suspensão de aulas presenciais na cidade. O projeto foi retirado de pauta.

Nessa segunda-feira (22) um decreto municipal suspendeu as aulas presenciais em Maringá do dia 24 de fevereiro a 7 de março.

Nesta terça-feira (23), um projeto de lei em regime de urgência entrou na pauta da sessão da Câmara de Vereadores proibindo a suspensão de aulas presenciais no município.

O projeto já estava pronto antes do decreto. Mas calhou de chegar ao plenário em meio à polêmica da suspensão das aulas e dezenas de manifestantes foram para a frente do legislativo.

Em lados opostos, grupos de pais e professores. Um a favor das aulas presenciais, outro contra a volta à sala de aula sem vacina.

A professora Graziele Teixeira, da rede municipal de ensino, diz que só vai se sentir segura após a vacinação. [ouça no áudio acima]

Pai de dois alunos da rede municipal, Anderson Sampaio não quer que os filhos voltem para a sala de aula agora. [ouça no áudio acima]

Já Raissa Nascimento, mãe de três filhos, alunos da rede pública e da rede particular, acredita que a sala de aula é segura e que os estudantes estão perdendo muito com a suspensão das aulas presenciais. [ouça no áudio acima]

A professora Maracelis Jesualdo, da rede privada de ensino, diz que a experiência de aulas presenciais desde 1º de fevereiro mostrou que o retorno é seguro. [ouça no áudio acima]

Por causa da polêmica, o vereador Sidnei Telles decidiu retirar o projeto por quatro sessões. [ouça no áudio acima]

A CBN questionou a prefeitura sobre qual a justificativa para a suspensão das aulas presenciais, se houve registro de surto em escolas. A resposta é que “a medida é de prevenção pela combinação de vários fatores: evitar aglomerações, diminuir circulação de carros e pessoas pelas ruas, entre outros”.