Por falta de energia, depoimento da mãe de Maria Glória é interrompido

Caso Maria Glória

Por falta de energia, depoimento da mãe de Maria Glória é interrompido

Segurança por Portal GMC Online em 28/01/2020 - 16:02

O depoimento de Daisa Poltronieri, mãe de Maria Glória Poltronieri Borges, 25 anos, foi interrompido na tarde desta terça-feira, 28, por falta de energia elétrica na Delegacia de Homicídios de Maringá.

Os delegados que investigam o caso, Diego de Lima e Zoroastro Nery do Prado filho, ouviam a mãe da jovem assassinada quando houve a queda de energia elétrica na Avenida Mandacaru. Várias lojas entorno da delegacia também estão sem energia elétrica.

Por conta da gravidade do caso investigado, a mãe e familiares foram levados para outra estrutura da Polícia Civil de Maringá para continuar os depoimentos na tarde desta terça-feira. O local seria o 3º Distrito Policial.

 

Família não quer falar

A reportagem do GMC Online tentou falar com a mãe, mas ela preferiu não se pronunciar. Uma prima da vítima disse que em breve a família deve falar sobre o caso. Todos estão muito abalados. A mãe estava muito abalada e chegou a se emocionar várias vezes durante o depoimento.

Morte da bailarina

Maria Glória Poltronieri Borges foi encontrada morta na tarde de domingo, 26, próximo a uma cachoeira de Mandaguari. Magô, como era chamada por familiares e amigos, foi ao local no sábado, 25, para acampar.

A Polícia Civil investiga o caso e já tem fotos de pessoas que passaram pela cachoeira no fim de semana. Os investigadores trabalham agora para tentar identificar essas pessoas e ouvi-lás.

“Nós já temos fotos de pessoas que estiveram com ela e agora essas pessoas precisam ser ouvidas. Elas são peça chave pra gente avançar nas investigações”, disse o delegado Diego de Almeida, de Maringá, ao GMC Online. Almeida está ajudando na investigação.

A Polícia Civil de Mandaguari juntou forças com equipes de Maringá para acelerar a investigação e chegar mais rápido ao autor, ou autores, do crime. O delegado, inclusive, não descarta a possibilidade de mais de uma pessoa ter envolvimento na morte de Maria Glória.

Por: Fábio Guillen/GMC Online