Flávio Campana é indiciado por homicídio qualificado, estupro e ocultação de cadáver
Flávio Campana | Foto: Reprodução

Caso Magó

Flávio Campana é indiciado por homicídio qualificado, estupro e ocultação de cadáver

Segurança por Luciana Peña em 13/03/2020 - 12:25

O inquérito policial que apura o assassinato da bailarina Maria Glória Poltronieri Borges foi entregue ao Ministério Pùblico. Mas investigação segue para apurar participação de outro suspeito.


 Ouça a reportagem completa:


A bailarina Maria Glória Poltronieri Borges, a Magó, tinha 25 anos. Ela foi encontrada morta no dia 26 de janeiro perto da cachoeira Massambani, em Mandaguari.

No final de fevereiro a polícia prendeu Flávio Campana, de 40 anos, acusado de ser o autor do crime.

O exame de DNA confirmou que é dele o material genético encontrado na vítima.

Nessa quinta-feira, o delegado de Mandaguari, Zoroastro Nery do Prado,  entregou o inquérito ao Ministério Público.

Flávio Campana foi indiciado por homicídio qualificado, estupro e ocultação de cadáver. 

As qualificadoras do homicídio são asfixia, motivo fútil, impossibilidade de defesa da vítima e feminicídio.

 

A investigação continua. No início, a Polícia coletou material genético de três pessoas. Dois exames já têm resultado. O de Flávio e um outro que foi descartado. Mas a polícia ainda aguarda o resultado do exame que foi feito com o material de um rapaz que é amigo de Flávio e estava com ele na cachoeira. 

Em depoimento, esse rapaz disse que se perdeu de Flávio e não viu mais o amigo. Teria ido embora sem ele.

Caso o exame dê positivo, o delegado vai apresentar um complemento ao inquérito policial.