Os riscos da ignorância consciente
Imagem ilustrativa/Pixabay/domínio público

Opinião

Os riscos da ignorância consciente

O comentário de Gilson Aguiar por Gilson Aguiar em 30/06/2020 - 15:39

Vivemos tempos em que o conhecimento está acessível. Podemos saber mais sobre o que nos cerca. Podemos também nos perder pelas distorções sobre os fatos que também estão disponíveis, as vezes em proporção maior do que aquilo que é exposto todos os dias diante de nós no meios de comunicação. 

Consideramos que ignorar é uma forma de alienação. De certa forma sim. Mas muitas pessoas ignoram realmente por não saber, não entender. Acabam agindo com o conteúdo que tem, com a capacidade de reflexão e percepção do que podem compreender. Mas há os que se negam a enxergar. Estes são um problema. 

A resistência em encarar os dilemas e desafios acabam por colocar em risco a vida de todos. Os que agem focados nos seus interesses costuma desviar das questões coletivas que lhes exigiria um comprometimento. O temor do compromisso é na proporção do risco. O que é um peso, porém necessário para quem tem responsabilidade com a informação e não a ignora.

Mas o ignorante consciente tem seus motivos. Algo move seu escudo contra a informação. Para ele, há uma fuga que lhe remete as contrariedades que sofreu na própria vida. Em algum momento em sua vida, há marcas de episódios que deseja esquecer ou simplesmente evitar. Encarar a verdade não é fácil. 

Lidemos então, em alguns casos, com os ignorantes conscientes e com má formação na personalidade. Fugidia e egocêntrica. Mimada ou deturpada. Contudo, suas ações que desprezam os riscos não levam só a si mesmo a se fragilizar, muitos do que o acompanham. E vale lembrar que em grande parte, eles são agressivos. A verdade muitas vezes não é apenas negada, tem que ser combatida, assim como quem as prega.