Nem estado e nem mercado, voluntariado
Imagem ilustrativa/Pixabay/domínio público

Opinião

Nem estado e nem mercado, voluntariado

O comentário de Gilson Aguiar por Gilson Aguiar em 03/04/2020 - 07:50

Estamos diante de uma crise sem precedentes, alguns comparam as guerras. Mas mesmo nelas, quando a destruição é o relato mais comum, a construção e reconstrução são as nossas esperanças. Nos noticiários o foco está no número de casos de contaminados, internados e, infelizmente, nos que faleceram por causa do vírus. Contudo, existe uma legião de pessoas distribuindo a vida em forma de trabalho voluntário, doações, esforço e todas as ações de garantia de que a vida vai continuar.

Fala-se das ações coerentes ou incoerentes de governantes e empresários. Se elogia e critica o papel do poder público. Mas se há possibilidade de superação está nas mãos de quem acredita na reconstrução e olha para a frente rodeado pelo caos. Nós não vamos morrer aqui. 

Durante a Segunda Guerra Mundial (1939 a 1945) quando o caos se instalou em várias cidades da Europa, marcadas por destruição por causa de bombardeios e a fome, era difícil ter esperança. Porém, e além do que se via, escombros, algumas pessoas iniciaram a reconstrução. Varriam as ruas, recolhiam entulhos e corpos, confeccionavam roupas e alimentos com o que tinham, iniciavam o que seria a resposta mais segura diante da crise, acreditar na paz e no amanhã.