Jovem preso por engano sai da cadeia
Foto: arquivo pessoal

Alívio

Jovem preso por engano sai da cadeia

Por Luciana Peña em 18/10/2019 - 10:21

O caso serve de alerta por um detalhe. O RG com a foto de criança da vítima favoreceu o engano da polícia.  Outro detalhe: o sistema judicial não cruza dados, senão perceberia que havia dois processos contra duas pessoas distintas, mas com a mesma foto.

Player Ouça a reportagem

Nessa quinta-feira, a CBN trouxe uma reportagem mostrando o drama de uma família que tentava libertar um rapaz preso por engano. A mãe e a mulher dele estavam no Fórum Estadual quando a reportagem conversou com elas. Mari Souza é a mulher de Iago de Oliveira Correa preso na noite de quarta-feira, por engano. O nome dele aparece em dois processos, por furto e fuga de presídio. Mas a foto nos processos é de outra pessoa, o primo dele, que quando foi preso deu nome falso. 

Foi um dia inteiro de espera. Mari não sabia se o marido ia ser solto ou não e foi para a delegacia ficar de plantão na porta da carceragem. Enquanto isso a advogada de Iago, Ruth Perez  Christofolli corria atrás de polícia, juiz, vara de execuções penais. À noite finalmente Iago foi liberado. Afinal o mal entendido já havia sido esclarecido no momento da prisão. Lá na delegacia com a foto do verdadeiro criminoso.

O caso serve de alerta porque mostra que o cidadão precisa de proteger. Se qualquer pessoa pode dar um nome falso ao ser presa, prejudicando outra, o que fazer? No caso de Iago, o problema é que o RG de Iago, tem uma foto antiga, que não permitiu aos investigadores perceber  o erro. Outro detalhe. O primo de Iago, que se chama João Paulo, pelo jeito tem uma ficha policial extensa. Ele responde a outro processo com o nome verdadeiro, mas a mesma foto que está no processo com o nome falso.

A CBN está tentando contato com o Tribunal de Justiça para entender como é possível dois processos de pessoas distintas, mas com a mesma foto.

Atualizado às 15h50 - O TJPR informou que não é possível cruzar inmformações sobre os processos porque não existe um banco de dados. A dificuldade é maior se os processos foram de varas diferentes. Mas a tendência é que com a tecnologia este problema seja resolvido.    

 

Notícias Relacionadas

Notícias da mesma editoria