Gilson Aguiar comenta o imediatismo da população na vacinação contra a febre amarela

Comentário

Gilson Aguiar comenta o imediatismo da população na vacinação contra a febre amarela

Por Gilson Aguiar em 18/01/2018 - 08:44

Agora há um corre-corre para se tomar a vacina contra a Febre Amarela. Uma doença erradicada há mais de 70 anos e que já molestou a história brasileira no final do Século XIX e início do XX. Combater o mosquito transmissor, estudar uma vacina para a doença, fizeram do Brasil destaque na produção do antídoto.

São Paulo é o Estado que se tem maior preocupação com a propagação da doença. Tem quem fale em epidemia. Mas o Ministério da Saúde acha exagero, tem especialista que não. Porém, o que gostaria de comentar aqui é a corrida da população para vacinar. Em todo o país onde a vacina é oferecida, na maioria dos estados é procura é grande.

Cidades que estão fora das regiões de risco, como Maringá, já foram vacinadas mais de mil pessoas em 10 dias. É o medo da morte lembrando o quanto custa à vida. Mesmo que o perigo não seja real. Uma lição a se ter da forma como a sociedade reage aos medos que ela mesma cria.

A vacinação é fundamental, mas o ano todo. Em campanhas feitas anualmente pela Secretaria de Saúde do Paraná a procura fica sempre abaixo da expectativa. Quando não há o pânico, quando o sentimento do risco não atinge um grau de temor, não há reação. Há uma comoção coletiva que arranca atos sociais. Não é a construção de um juízo coletivo, consciência social. É apenas uma reação imediatista ao que se ouviu falar e não se tem conhecimento. O senso comum as vezes acerta na dose e expressa, aparentemente, ideia de lucidez.

Fica a lição para entender como funciona a reação social à aquilo que diz respeito a ela. Uma doença, a política, a violência, a corrupção, enfim, tudo o que o valia. 

Player Ouça o comentário