Estudo aponta produtos mais e menos vendidos no Paraná em 2020
Foto: ilustrativa/Pixabay/Domínio Público

Impacto da Covid-19

Estudo aponta produtos mais e menos vendidos no Paraná em 2020

Economia por Monique Manganaro/GMC Online em 26/05/2020 - 16:17

O enfrentamento de um período de crise reflete diretamente no perfil de consumo de uma população. Em momentos de incerteza, parte da sociedade prefere concentrar esforços e recursos em ações e itens indispensáveis, de primeira necessidade.

Estudo realizado e divulgado recentemente pelo Governo do Paraná, em conjunto com a Receita Estadual e o Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (Ipardes), mostrou os produtos que foram priorizados pelos consumidores finais no Paraná em 2020 e os que, em contrapartida, foram menos consumidos e tiveram queda nas vendas. A pesquisa considerou os meses de janeiro a abril deste ano e fez comparativo com o mesmo período de 2019.

Dentro do período estudado estão meses em que o Paraná já se mobilizava e propunha medidas para combater o coronavírus. Entre as principais soluções adotadas pelo governo estadual estava o isolamento social mais rígido e o fechamento do comércio.

Entre as mercadorias que registraram aumento nas vendas no primeiro quadrimestre de 2020 estão, em grande parte, produtos alimentícios. Produtos da indústria de moagem, malte, amidos e féculas registraram aumento de 39% em relação ao ano passado. Gorduras e óleos animais ou vegetais e preparações de carnes ou peixes tiveram acréscimo de 23% e 18%, respectivamente. A categoria de leites e laticínios e ovos de aves também cresceu. Segundo a pesquisa, 13°% se comparado ao período anterior.

Para o economista João Ricardo Tonin, a movimentação de aumento no consumo de alimentos não está associada apenas ao medo do desabastecimento e do isolamento social causados pela crise do coronavírus. “Acho que esse é um dos efeitos. Outro é que somos uns dos maiores estados em produção de alimentos”, considera.

Na contramão desse cenário está a indústria que mais foi prejudicada em 2020. O setor de vestuário e seus acessórios registrou queda de 28% nas vendas em relação ao mesmo período de 2019. Em seguida, está a categoria de calçados e semelhantes, com diminuição de 25% nas vendas, conforme a pesquisa

Foto: ilustrativa/Pixabay/Domínio Público
Foto: ilustrativa/Pixabay/Domínio Público

A categoria de bebidas, incluindo líquidos alcoólicos, também registrou queda na avaliação da Receita Estadual. As vendas diminuíram 3% em 2020 quando comparadas ao desempenho do setor no ano passado. Na categoria de veículos, a diminuição foi de 12%.

De acordo com Tonin, para alguns setores, a queda nas vendas já era esperada. No entanto, outras indústrias foram pegas de surpresa. “É o caso do setor automobilístico e bebidas, que talvez não esperassem uma queda tão forte assim. O agronegócio já esperava um efeito positivo, devido ao histórico de outras crises”, explica.

 

Diminuição nas vendas e impacto regional

 

De forma geral, o desempenho dos polos industriais paranaenses, instalados em determinadas regiões do estado, impactam diretamente no desenvolvimento comercial de cada local. A queda ou o aumento nas vendas dos produtos produzidos por uma área do Paraná refletem no impacto, positivo ou negativo, que a região vai sentir.

O economista João Ricardo Tonin avalia três principais regiões do estado e entende que, por causa da atuação principal de cada região, algumas áreas parecem ter sido mais afetadas que outras. “A região de Curitiba e Ponta Grossa tem sido diretamente afetada, principalmente pelas indústrias voltadas pelo consumo interno - automóveis, vestuário, calçados e bebidas. E a retomada irá demorar, pois precisa de abertura comercial e maior circulação de renda”, detalha.

Para ele, a região de Maringá e Londrina também foi impactada, mas em menor proporção. “[A região] tem uma participação maior em setores de serviços. No caso saúde e TIC [Tecnologias da Informação e Comunicação] tem se beneficiado, o que pode reduzir um pouco o efeito negativo”, diz Tonin.

Por fim, na visão do economista, o melhor desempenho é o do oeste do estado. “A região oeste está melhor que a média, aproveita de melhor preços de commodities por ser uma região agrícola, e também apresenta maior proporção de indústria do setor farmacêutico”, afirma.

Diante de um cenário de crise, conforme explica Tonin, é possível estudar e entender quais ações comerciais podem reduzir impactos negativos. Segundo ele, o segredo é a diversificação.

“[Um] detalhe que vejo nesses números é o impacto do câmbio. As cidades que focaram sua estratégia apenas no desenvolvimento da indústria ao longo dos anos estão sofrendo mais. A lição que aprendemos agora é de que setores mais diversificados criam cidades mais resilientes à crise. As cidades de forma individual em coordenação do governo do Paraná precisam urgentemente criar planos estratégicos de desenvolvimento de longo prazo para saírem mais rapidamente dos efeitos negativos dessa crise.”

Acesse GMC Online

 

Precisa sair de casa? Use máscara. Clique aqui e saiba por que ela é importante