Veja a evolução da Covid-19 em Maringá após seis meses de pandemia
Imagem Ilustrativa/foto: Leopoldo Silva/Agência Senado

Coronavírus

Veja a evolução da Covid-19 em Maringá após seis meses de pandemia

Saúde por Lethícia Conegero/GMC Online em 06/10/2020 - 19:43

O primeiro caso positivo de coronavírus em Maringá foi registrado no dia 18 de março. A paciente foi uma mulher, de 46 anos, que esteve na Espanha dias antes da confirmação. Passados seis meses desde o início da pandemia na cidade, os casos positivos somaram 7.628 até 22 de setembro, segundo o 19º boletim epidemiológico, divulgado pela secretaria Municipal de Saúde. Desses, 6.994 (91,6%) já estavam recuperados, 504 estavam com o vírus ativo e 130 morreram.

O documento traz o perfil e a profissão dos positivados no município, sintomas mais comuns, as regiões da cidade com o maior número de casos, entre outras informações. Confira o balanço dos seis primeiros meses da pandemia em Maringá. 

 

Perfil dos infectados

Dos 7.628 casos confirmados nos seus primeiros meses da pandemia, 4.070 (53,4%) foram mulheres e 3.558 (46,6%) homens. Além disso, 4.746 (62,2%) têm entre 20 a 49 anos e 1.207 (15,8%) têm entre 50 a 59 anos. Acima de 60 anos estão 14% dos casos confirmados e os 8% restantes correspondem às crianças e adolescentes (0 a 19 anos). 

Dos infectados pelo novo coronavírus na cidade, 6.039 (79,2%) não apresentavam comorbidades e 1.589 (20,8%) apresentavam. Veja as comorbidades dos positivados:

Doenças cardiovascular (43,4%);

Doenças endócrinas (22,1%); 

Doenças pulmonares (9,6%);

Obesidade (6,2%);

Tabagismo (4,3%); 

Doença renal (3,6%);

Doença neurológica (2,1%);

Imunodeficiência (2%);

Neoplasias (1,6%)

 

Profissão

Em Maringá, dos 7.628 casos positivos, 786 (10,30%) são profissionais da saúde, segundo o 19º boletim epidemiológico. A área da saúde ocupa o primeiro lugar no ranking das profissões dos infectados no município, seguida do setor administrativo, com 745 (9,77%) infectados, desempregados com 614 (8,05%), vendedor/balconista/atendente com 533 (6,99%) e aposentado 532 (6,97%). Veja a tabela das profissões dos positivados:

Foto: Secretaria Municipal de Saúde/Divulgação
Foto: Secretaria Municipal de Saúde/Divulgação

Onde moram 

O 19º boletim epidemiológico também mostra a distribuição e a taxa de incidência dos casos positivos em Maringá, por área de abrangência de Unidade Básica de Saúde (UBS). Apenas duas regiões da cidade registraram menos de cem casos, de acordo com o documento.

A região da Zona 7 é a que tem o maior número de infectados em Maringá, com 553 casos registrados até o dia 22 de setembro. Em seguida está a área de abrangência da UBS Pinheiros, com 445 positivados, a do Aclimação, com 385 casos, e a Zona Sul, com 356.

Foto: Secretaria Municipal de Saúde/Divulgação
Foto: Secretaria Municipal de Saúde/Divulgação

Já as regiões que apresentaram as maiores taxas de incidência da Covid-19 por 10 mil habitantes foram: Zona 06, Vila Operária e Aclimação. 

Foto: Secretaria Municipal de Saúde/Divulgação
Foto: Secretaria Municipal de Saúde/Divulgação

Sintomas mais comuns

O 19º boletim epidemiológico também mostra os nove sintomas mais comuns apresentados pelos moradores de Maringá que foram infectados pelo novo coronavírus até o dia 22 de setembro. Segundo o documento, os sintomas mais recorrentes são:

Tosse (58,87%);

Coriza (39,72%);

Dor de garganta (37,9%);

Febre (30,29%);

Dispneia (18,07%);

Congestão nasal (17,13%);

Diarreia (9%);

Perda de olfato/paladar (6,98%);

Náusea/vômito (4,58%)

 

Óbitos por Covid-19

Até 22 de setembro, Maringá registrou 130 óbitos em decorrência da Covid-19. Desses, 86 (66,2%) eram homens e 44 (33,8%) mulheres. Do total de pacientes que morreram, 73,8 % apresentavam comorbidades, sendo as doenças cardiovasculares as mais comuns (56,7%), seguidas das doenças endócrinas (26,2%) e as renais (10,8%). 

Dos 130 pacientes que faleceram por Covid-19 em Maringá, 96% não se ausentaram do município e 4% viajaram. 

Acesse GMC Online