Seis empresas são responsáveis pelo mau cheiro em Maringá
A empresa foi embargada no fim da tarde desta quarta-feira (16). (Foto: PMM)

Após investigação

Seis empresas são responsáveis pelo mau cheiro em Maringá

Meio Ambiente por Victor Simião em 16/01/2019 - 18:22

 A conclusão é da Secretaria de Meio-Ambiente. Uma delas será embargada. Odor foi sentido principalmente na região norte.

A Secretaria de Meio-Ambiente embargou parcialmente a Maringá Orgânicos no fim da tarde desta quarta-feira (16). A CBN ligou e mandou mensagem para o telefone disponível no site, mas ninguém atendeu ou respondeu até o fechamento da reportagem.  Nós também procuramos o IAP, mas ninguém atendeu ao telefone por volta das 17h30 desta quarta.  

Atualizado às 8h15 de 17/01/19 - O proprietário da Maringá Orgânicos conversou com a nossa reportagem nesta quinta-feira (17) e explicou que não sabe ainda as razões do embargo parcial. A notificação foi entregue à empresa no começo da noite dessa quarta-feira(16) e só na manhã de hoje o empresário poderá entender o que está acontecendo. Ele vai procurar a Secretaria de Meio Ambiente para entender a situação. E só depois poderá falar sobre o assunto.

Atualizado às 16h50 de 17/01/19 - O Instituto Ambiental do Paraná enviou às 16h40 a seguinte nota: "O Instituto Ambiental do Paraná (IAP) aguarda o levantamento efetuado pela prefeitura, acordado em reunião. Serão realizadas vistorias e análise dos licenciamentos dos empreendimentos apontados como responsáveis pelo odor. Caso preciso, será solicitado readequações no licenciamento e atividades exercidas. O empreendimento interditado pela prefeitura nesta quarta (16) contém cortina de vegetação somente em um lado da empresa, onde funcionava as atividades antes da ampliação. Outro motivo do odor ter se espalhado é por conta dos dias quentes que ocorre a inversão térmica, fazendo o cheiro se espalhar com mais força". 

 

Após dois meses de investigação, a Prefeitura de Maringá concluiu que seis empresas são as responsáveis pelo mau cheiro na região norte da cidade. Por conta disso, uma delas deve ser embargada por pelo menos 15 dias. A informação foi divulgada nesta quarta-feira (16), em uma coletiva de imprensa, no Paço Municipal. Participaram o vice-prefeito de Maringá, Edson Scabora, fiscais do Meio Ambiente e o secretário da pasta, Ederley Alkamin.

Segundo ele, uma empresa de compostagem é a principal responsável pelo odor. Ela recebe itens como ovos, efluentes e outros materiais que apodrecem. O mau cheiro ocorre porque o empreendimento tem recebido mais produtos do que deveria e não tem algum mecanismo que impeça a propagação do cheiro, de acordo com a secretaria de Meio Ambiente.

A empresa de compostagem tem quatros anos em Maringá. O mau cheiro começou a ser sentido no fim do ano passado. De acordo com a secretaria de Meio Ambiente, em outubro a empresa aumentou a capacidade de atuação, só que sem utilizar itens necessários. Um deles é a cortina de vegetação que é a utilização de árvores e plantas para impedir que um cheiro se espalhe.

A licença do empreendimento está regularizada junto ao IAP, segundo a Prefeitura. Mas o aumento de serviço em outubro não foi comunicado ao Instituto Ambiental do Paraná, disse o secretário Ederley Alkamin.

O trabalho dos fiscais teve apoio da Estação Climatológica da UEM. O fato do cheiro ter se espalhado pela cidade ocorre porque a empresa fica em uma região alta, a nove quilômetros da cidade. E como o vento ‘bate’ nela, e não há cortina de vegetação, o cheiro se propaga.

O estabelecimento embargado terá duas semanas para tomar providências, disse Ederley Alkamin. E até lá, não poderá executar novos trabalhos.

As outras cinco empresas tiveram problemas menores. Por conta disso, só serão notificadas. São frigoríficos, principalmente.

Somente em janeiro a Prefeitura recebeu 80 reclamações de mau cheiro na Zona Norte. Mas o mal-estar causado na população vem desde novembro do ano passado, e aumentou principalmente em dezembro.