Empresa de Maringá entregava carne com rótulos falsificados a escolas
Divulgação/PC

Investigação

Empresa de Maringá entregava carne com rótulos falsificados a escolas

Segurança por Portal GMC Online em 27/03/2019 - 18:04

Uma empresa de Maringá entregava carnes com rótulos falsificados para escolas municipais de Cambé (a 107 quilômetros de Maringá). A descoberta foi feita pela Polícia Civil de Cambé depois de receber uma denúncia da prefeitura. As carnes eram utilizadas na merenda escolar.

“A nutricionista da prefeitura percebeu que as carnes estavam vindo embaladas de forma equivocada. Reclamou várias vezes com a empresa e resolveu fazer contato direto com o frigorífico. Até que o representante do frigorífico veio na segunda-feira (25) aqui em Cambé e falou que aquele rótulo era falsificados e foi feito boletim de ocorrência”, explicou o delegado de Cambé, Roberto Fernandes.

Depois disso, policiais civis abordaram o caminhão da empresa durante uma entrega e apreenderam 92 quilos de carne com rótulos falsificados. Na sequência, a PC foi até a sede da empresa em Maringá e encontrou mais 607 quilos de carne com os rótulos falsificados.

Um computador e uma impressora utilizados para produção dos rótulos falsos também foram apreendidos, além de cem rolos de rótulos falsos.

De acordo com o delegado de Cambé, em depoimento, o proprietário da empresa confessou que falsificava os rótulos e armou que as carnes era de diversos frigorífico. "Ele disse que fazia isso porque só tinha licença para atuar em Maringá", conta o delegado.

Segundo a PC, essa empresa foi terceirizada por outra que venceu a licitação para fazer a entrega de carnes para as escolas municipais. Por isso, será apurado se essa última tinha conhecimento do que estava acontecendo.

A Polícia Civil de Cambé abriu inquérito para apurar o caso, que a princípio é qualificado como estelionato. Algumas carnes foram enviadas à Vigilância Sanitária para que seja verificado se elas eram próprias para consumo ou não. “No curso da investigação vamos verificar se há outros crimes ou não”, explicou o delegado.

O que diz a prefeitura

A Prefeitura de Cambé informou que vai romper o contrato com a empresa e, enquanto não for realizada nova licitação, outras empresas que também fornecem carne para as escolas vão suprir a demanda.

Por: Nailena Faian/Portal GMC Online