Choveu 10 mm na bacia do Pirapó, mas a vazão do rio não aumentou
Imagem ilustrativa/Foto: Pixabay/Domínio Público

Crise hídrica

Choveu 10 mm na bacia do Pirapó, mas a vazão do rio não aumentou

Cidade por Luciana Peña em 14/05/2020 - 11:01

Informação é do Simepar, que está monitorando as bacias hidrográficas do Paraná para saber que regiões do estado podem sair da emergência hídrica. A crise é mais grave nas regiões leste e central. 

O Paraná enfrenta a pior estiagem da história e por isso decretou estado de emergência hídrica.

O decreto é válido por 180 dias. Neste período pode haver racionamento e punição para quem for flagrado desperdiçando água. 

O Simepar e o Instituto das Águas têm a tarefa de monitorar as bacias hidrográficas para traduzir em números a crise hídrica.

Conversamos com o engenheiro hidrólogo e pesquisador do Simepar, Arlan Scortegagna, para entender como é feito o monitoramento.[ouça no áudio acima]

As bacias hidrográficas em situação mais crítica, ou seja, que receberam menos volumes de chuva, são as das regiões leste e central do estado.[ouça no áudio acima]

As chuvas desta semana não aliviaram a crise como se esperava.  A bacia do Rio Pirapó,  recebeu 10 milímetros de chuva, insuficiente para aumentar a vazão do rio. [ouça no áudio acima]

Com o monitoramento será possível estabelecer critérios para a saída do estado de emergência hídrica.