Sementes misteriosas da China nascem em quintal de Maringá
Sementes que vieram pelos Correios germinaram, a planta misteriosa cresceu e já está soltando novas sementes em quintal de Maringá – Foto: Silvia/Reprodução/GMC Online

Alerta

Sementes misteriosas da China nascem em quintal de Maringá

Cidade por Fabio Guillen/GMC Online em 22/09/2020 - 16:08

Uma moradora de Maringá plantou as sementes misteriosas da China que paranaenses estão recebendo pelos Correios. Silvia, de 45 anos, recebeu o pacote de sementes no fim do ano passado, com endereço chinês.

Ela disse ao GMC Online que achou interessante e decidiu plantar. As sementes nasceram e a planta é bem diferente. 

“É uma planta estranha. Ela não dá flor. As sementes chegaram ano passado pelos Correios em nome do meu marido. Como ele era agricultor eu achei que era algo pra gente plantar e eu decidi colocar aqui em casa em um balde. Nasceu muito rápido. A planta cresceu mas ela não tem nada demais. Parece um pé de mostarda”, disse Silvia. 

Silvia viu o alerta da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar) para as sementes que estão chegando pelos Correios em endereços do Paraná e também de outrs Estados como Mato Grosso do Sul e Santa Catarina. O alerta pede para não plantar e nem descartar as sementes porque podem ser ervas daninhas nocivas à agricultura e ao meio ambiente. 

A moradora de Maringá agora está preocupada porque a planta misteriosa está soltando sementes. “Está cheia de sementes. É uma sementinha bem pequena. A gente fica preocupada né agora com esse negócio aqui no quintal”, comentou Silvia. 

Silvia avisou que vai procurar a Adapar e entregar a planta para que o órgão avalie se a espécie está catalogada no Brasil. 

PR faz alerta sobre sementes vindas em encomendas misteriosas da China

Pacotes de sementes como “brindes” de produtos comprados pela internet, ou até sem a solicitação de qualquer encomenda, podem trazer pragas, doenças e plantas daninhas que não existem no País, capazes de causar graves prejuízos à agricultura e ao meio ambiente.

O alerta é da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar) após relatos em alguns estados brasileiros, inclusive no Paraná.

Além disso, a instituição de defesa agropecuária orienta que o material não seja aberto, descartado e, muito menos, utilizado. Quem receber os pacotes deve procurar uma unidade da Adapar mais próxima, ou do Ministério da Agricultura.