Projetos para provocar mudanças
Acompanhe O Assunto é política com Diniz Neto, de segunda a sexta, às 09h40 e às 14h20

O Assunto é Política

Projetos para provocar mudanças

Por Diniz Neto em 21/08/2019 - 10:24
Player Ouça o boletim

21 de agosto, quarta-feira.

 

Assuntos na coluna de hoje: 
- TERMINAL RODOVIÁRIO DR. SAID FERREIRA
- ELEIÇÃO NO SISMMAR
- MARINGAENSE VAI PRESIDIR A FIEP
- TECPAR CONFIRMA PRIORIDADE
- OBRA PARADA
- OS POBRES EM PAUTA

TERMINAL RODOVIÁRIO DR. SAID FERREIRA
Os vereadores aprovaram, com o voto contrário do vereador Jean Marques (PV), o nome do novo terminar urbano intermodal, confirmando a sugestão do poder Executivo: Terminal Urbano Intermodal Dr. Said Felício Ferreira.
O vereador Jean Marques apresentou substitutivo, propondo que o terminal mantivesse o nome do prefeito Américo Dias Ferraz, que denominava a antiga rodoviária, localizadas nas proximidades do novo terminal.

ELEIÇÃO NO SISMMAR
Quando se esperava que a oposição buscasse ajuda no Poder Judiciário, a diretoria do Sismmar se adiantou e conseguiu tutela antecipada e validação dos atos na primeira e na segunda assembleias para eleição da comissão eleitoral, realizadas nos dias 2 e 17 de agosto.

A sentença foi a seguinte: “Defiro o pedido de tutela de urgência antecipada realizado pela parte autora (SISMMAR) afim de declarar a nulidade da eleição da Comissão Eleitoral [em 2 de agosto], bem como pela nulidade de todos os atos por ela já praticados. Defiro ainda, por consequência, o cancelamento da eleição da diretoria do sindicato para a próxima gestão agendada para os dias 03 e 04 de outubro de 2019”, determinou o juiz Fábio Bergamin Capela.
Salvo outro recurso e decisão judicial, a comissão eleitoral será assim formada:
A Comissão Eleitoral está, agora, empenhada em estabelecer o cronograma da eleição. Além de Mortean (advogado do Stessmar) e Nilda (servidora aposentada da Seduc), ambos membros titulares, também compõem a comissão:
Titulares:
Maria Aparecida Genovês (dirigente da APP-Sindicato)
Luiz Cláudio da Silva (dirigente do Sinteemar)
Vera Lúcia Pedroso Nogueira (presidente do Sindaen).
Suplentes:
Guilherme Marques da Silva Mariucci (educador de base da Sasc)
Valdir Peters (assistente social do Cras Alvorada)
Harim Eliézer Toral (educador infantil)
Emerson Luís Viana da Silva (dirigente do Sinttromar)
Jonas Brás (dirigente do Steem).

MARINGAENSE VAI PRESIDIR A FIEP
Na semana passada foi realizada a eleição para a nova diretoria da Federação das Indústrias do Estado do Paraná, a FIEP.
Comentamos aqui, e a CBN ouviu os dois candidatos, que havia uma perspectiva de uma eleição bastante disputada.
As previsões se confirmaram. O industrial Carlos Walter, de Maringá, foi eleito presidente da FIEP com 49 votos. Eugênio Gizi, que liderou uma chapa de oposição, recebeu 47 votos.
Nunca, em 75 anos da FIEP, uma chapa de oposição venceu a eleição. A eleição desse ano foi a mais disputada da história da federação.
O setor industrial do Paraná mantém 20% dos empregos formais do Paraná e responde por 50% das exportações.

TECPAR CONFIRMA PRIORIDADE
Recebi uma nota do Tecpar, que faço questão de compartilhar com os ouvintes e leitores da coluna ‘O Assunto é Política’:

SOBRE PROJETO DO TECPAR NA ÁREA DA SAÚDE EM MARINGÁ
“Em relação à nota "Todos pelo Tecpar em Maringá", veiculada na CBN Maringá, nesta quinta-feira (15), o Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar) reforça que compartilha do mesmo sentimento da sociedade civil organizada de Maringá.
O instituto informa que o assunto é prioridade da nova gestão da empresa e que novas medidas estão sendo tomadas nesta direção. Um exemplo é que nesta quarta-feira (14) foi realizada uma reunião na Caixa e protocolado um ofício solicitando um prazo de mais 12 meses para avaliação de projetos pela instituição, que financiará o repasse.
O período coincide com a elaboração do Estudo de Viabilidade Técnica e Econômica (EVTE), solicitado pelo Ministério da Saúde, para readequação do cronograma dos projetos de Parcerias para o Desenvolvimento Produtivo (PDPs). Gestões serão feitas no Ministério da Saúde.”

A nota confirma o sentimento e a ação do Tecpar, que se coloca ao lado da sociedade civil organizada de Maringá e da população que sabe da importância dessa unidade para o futuro do município e da região.

Continuaremos acompanhando, com a expectativa de que os convênios e contratos sejam ajustados e que o prazo de início dessa obra seja abreviado. Importantíssimo para nós é saber que a nova gestão da empresa considera esse assunto uma prioridade, assim como todos os maringaenses.  

 

OBRA PARADA
Sobre a obra do Anel Viário Sincler Sabati, que está parada, uma informação importante. A empreiteira recebeu cerca de 10% até agora, do valor da obra.
Foi pedido um realinhamento de preço, aprovado no dia 12 de agosto, pelo que entendi.
Há um prazo correndo para uma reunião da prefeitura com moradores e o Observatório das Metrópoles. Nesta reunião os moradores esperam receber detalhes e prazos para a realização das obras. Eles também vão reiterar o que consideram prioridade.

OS POBRES EM PAUTA
Ontem à tarde a internet se encheu de mensagens e postagens sobre um projeto de lei do vereador Alex Chaves propondo o dia do pobre.
O vereador, que é católico e muito atuante na Renovação Carismática, idealizou o projeto com fundamento nas prioridades defendidas pelo papa Francisco e na instituição do Dia Mundial do Pobre.
Ele me ligou para falar sobre o projeto. Me explicou que e ideia é fazer eco ao grito dos pobres proposto pelo papa Francisco e admitiu que a redação do projeto foi muito simples e deu margem para a reação contrária.
Ele vai retirar o projeto, adequar a sua redação, alinhando com a proposta da Igreja Católica, reduzindo as dúvidas sobre a sua intenção.
O episódio amplia a discussão sobre o que cada um de nós está fazendo para reduzir a pobreza. O assunto é relevante e merece a nossa atenção. Unindo forças é possível fazer muito para acolher, apoiar e ajudar a mudar a vida daqueles que hoje precisam de políticas públicas e projetos de assistência social.
Nunca é demais que tenhamos dias para focar e provocar mudanças para melhor.
Também vale outra reflexão: só é possível distribuir e compartilhar aquilo que se tem. Ou seja, a pauta do desenvolvimento é o melhor caminho para reduzir as desigualdades e a pobreza. Precisamos focar mais alto e mais longe. Voltar a pensar grande. Foi essa atitude que fez Maringá ser a terceira maior cidade do Paraná em poucas décadas.
Parece que perdemos um pouco de vista as coisas grandes, prioritárias e mais importantes para Maringá.
Reforma de praças, sim. Meu campinho, sim. Mas ao mesmo tempo priorizar a implantação do Parque Tecnológico, investir no masterplan, ampliar as grandes obras de mobilidade e infraestrutura, motivar a atividade econômica, ajudar a gerar emprego e renda.  

Notícias da mesma editoria