Projeto Maringá Vôlei é encerrado
Imagem Ilustrativa/Foto: Divulgação/Maringá Vôlei

Fim

Projeto Maringá Vôlei é encerrado

Esporte por Victor Simião em 02/08/2020 - 18:20

A informação foi obtida por exclusividade pela CBN Maringá. A iniciativa de Ricardinho, surgida em 2013, terminou por falta de patrocinadores. Clube maringaense vinha participando da Superliga Nacional. Na última temporada, passou sufoco por falta de dinheiro. 

Sete anos depois de ter se tornado realidade, o sonho acabou. O Maringá Vôlei, projeto liderado pelo ex-jogador e dirigente Ricardo Garcia, o Ricardinho, deixou de existir. A informação foi obtida pela CBN de forma exclusiva, já que não houve anúncio oficial. 

O clube surgiu em 2013, para disputar a temporada 2013/2014 da Superliga Masculina, a elite do vôlei brasileiro. Logo no início, o equipe contou com nomes de peso; além do próprio Ricardinho, campeão olímpico, veio o oposto Lorena, campeão mundial pela seleção brasileira. 

Por ser um projeto novo, houve ampla cobertura da imprensa local e de fora, além de patrocinadores. 

Nas duas primeiras temporadas, o Maringá chegou às quartas de final da competição- que era o principal objetivo. Na terceira, 2015/2016, a situação começou a ficar ruim. O time foi irregular, e terminou rebaixado. 

Por possibilidades no regulamento, voltou ao torneio 2016/2017 na elite, mas fez mais uma vez um  campeonato ruim - terminando na décima colocação,  uma posição acima da zona de rebaixamento. 

Na Superliga 2017/2018, mais um rebaixamento. Após o término do torneio, Ricardinho, aos 42 anos, anunciou a aposentadoria das quadras. Iria focar em um projeto pessoal e seguiria como presidente do time. 

Na temporada seguinte, 2018/2019, mais uma vez por motivos de regulamento, o Maringá Vôlei retornou à elite e até chegou às quartas de final. Parecia que a situação ia melhorar para o clube. 

 Aí veio o período 2019/2020. 

O clube anunciou um patrocinador que pediu exclusividade. E parecia que era um novo começo. No fim do ano passado, o Maringá conquistou o primeiro e único título da história: o Campeonato Paranaense. 

O ânimo deu lugar a problemas logo depois, durante a Superliga. A temporada foi irregular, e no fim de 2019 atletas passaram a deixar o clube por falta de pagamento, resultado de problemas com o patrocinador. A situação se tornou tão ruim que Ricardinho colocou a aposentadoria de lado e voltou a jogar pelo clube, aos 44 anos. 

Chegou à pandemia em março, e a Confederação Brasileira de Vôlei encerrou o torneio. Como ficou na décima colocação, o time evitou o rebaixamento.

O Maringá Vôlei foi chamado para participar da temporada 2020/2021, mas declinou. É que o projeto acabou por falta de patrocínio e apoio. 

A CBN procurou Ricardinho para comentar o encerramento. Ele preferiu não gravar entrevista, mas confirmou o fim do projeto. 

Em fevereiro deste ano, o campeão olímpico já havia fechado um projeto social que levava o nome dele e ofertou de forma pública o Maringá Vôlei para outras cidades. Segundo ele informou a CBN à época, houve procura por pessoas de outros municípios. Para o ex-atleta, faltava apoio local, como disse na ocasião. 

A situação não foi adiante devido à pandemia.

Ao longo da sete temporadas, um dos grandes destaques foi a torcida maringaense. Que, agora, fica mais uma vez sem um time na elite do vôlei.