Pesquisadores descobrem floresta de cerca de 290 milhões de anos em Ortigueira, na região central do Paraná
Foto: Thammy Mottin

Floresta primitiva

Pesquisadores descobrem floresta de cerca de 290 milhões de anos em Ortigueira, na região central do Paraná

Paraná por Luciana Peña em 15/06/2022 - 13:58

 A floresta é de uma espécie que alcançava até 20 metros de altura. O achado no Paraná é o mais raro do hemisfério sul. A espécie encontrada é uma das primeiras formas de árvore a ocupar o ambiente terrestre: a licófita arborescente, já extinta.

O planeta Terra existe há 4,5 bilhões de anos e nem sempre foi a casa tão acolhedora para viver como a conhecemos.

As árvores, por exemplo, só surgiram há aproximadamente 380 milhões de anos.
Um dos primeiros grupos a colonizar o ambiente terrestre foi o das licófitas.

A floresta descoberta em Ortigueira, na região central do Paraná, é dessa linhagem, e tem aproximadamente 290 milhões de anos.

É claro que a matéria orgânica não existe mais. O que os pesquisadores encontraram foram vestígios fossilizados da floresta. Vestígios que preservam a textura e a forma destas árvores que atingiam até 20 metros de altura e que foram extintas.

A descoberta faz parte da pesquisa de doutorado da geóloga Thammy Mottin, da Universidade Federal do Paraná, em conjunto com pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e da Universidade da Califórnia.

Através de imagens de satélite, o grupo de pesquisas identificou que uma estrada tinha sido aberta naquela região.

Quando as estradas são abertas é possível fazer descobertas geológicas analisando a formação das rochas.

E foi o que aconteceu. A pesquisadora só não imaginava a proporção do achado. Uma floresta com 165 árvores, na vertical e de uma era pós-glacial muito antiga, quando ainda havia poucos animais no planeta. [ouça o áudio acima]

As licófitas arborescentes estão extintas. Hoje existem licófitas arbustivas, de tamanho bem menor. No hemisfério norte, onde há exploração de carvão, os pesquisadores encontram fósseis deste grupo de plantas, mas no hemisfério sul a ocorrência é muito rara. [ouça o áudio acima]

A descoberta foi publicada numa revista científica de paleontologia, paleoclimatologia e paleoecologia.

Foto: Thammy Mottin
Foto: Thammy Mottin