Pesquisadora avalia eleição de duas mulheres para a Câmara de Maringá
Foto: Divulgação/ASC-UEM

Vereadoras

Pesquisadora avalia eleição de duas mulheres para a Câmara de Maringá

Política por Victor Simião em 17/11/2020 - 17:00

A CBN conversou com a professora Carla Almeida, do departamento de Ciências Sociais da Universidade Estadual de Maringá. Segundo ela, Ana Lúcia Rodrigues (PDT) e Cris Lauer (PSC) vão trazer novas visões ao Legislativo. 

A posição das duas vereadoras eleitas na próxima legislatura na Câmara de Maringá será diferente. Ainda assim, elas vão pautar assuntos mais próximos às mulheres. É o que avalia a professora e pesquisadora Carla Almeida, do departamento de ciências sociais da Universidade Estadual de Maringá. A CBN conversou com ela nesta terça-feira (17).

Carla Almeida atua nos campos de participação política e representação democrática.

Na atual legislatura, a Câmara de Maringá não tem nenhuma mulher entre as 15 cadeiras. Na próxima, participam Ana Lúcia Rodrigues (PDT) e Cris Lauer (PSC). A primeira é ligada a movimentos sociais de esquerda. A segunda, crítica ao prefeito Ulisses Maia, é voltada à direita.

A pesquisadora avaliou as eleições deste ano.. Para ela, o resultado não supera a subrepresentação das mulheres, mas permite à Câmara não ser um local exclusivamente masculino. Carla Almeida chama atenção para dois pontos. [ouça no áudio acima]

Nas eleições 2020, Maringá teve 13 chapas à Prefeitura. Duas foram encabeçadas por mulheres. Dos cerca de 400 candidatos à Câmara, 130 eram do sexo feminino. A cidade viu aumento da participação delas nas discussões públicas, muito por conta do grupo ‘Mais Mulheres No Poder’.

Ana Lúcia Rodrigues e Cris Lauer, por estarem em espectros ideológicos opostos, devem trazer discussões partindo de posições diferentes, explica a pesquisadora. [ouça no áudio acima]