Partidos políticos trocam de nome no Brasil
Acompanhe O Assunto é política com Diniz Neto, de segunda a sexta, às 09h40 e às 14h20

O Assunto é Política

Partidos políticos trocam de nome no Brasil

Por Diniz Neto em 25/03/2019 - 10:03
Player Ouça o boletim

Os partidos políticos iniciaram com o Democratas, em 2007, um processo de mudança dos nomes. De forma geral, nas mudanças já concretizadas, foi tirado o temos “partido” dos nomes.

 Antes de falar sobre as trocas de nomes partidos, vamos às novidades de Maringá.

 NOVO SECRETÁRIO DE MEIO AMBIENTE E BEM-ESTAR ANIMAL

Marcos Zucoloto deixa hoje a secretaria de Meio Ambiente. Em seu lugar assume o atual diretor de Bem-Estar Animal, Marco Antonio Lopes de Azevedo.

 Na verdade, Marco Antonio deveria ter assumido o comando da secretaria no final de 2018. Mas o secretário Ederlei Alkamin foi mantido, saindo apenas no começo de 2019, convocado para assumir a chefia da 15ª Regional de Saúde.

 Marcos Zucoloto, que assim como Marco Antonio é funcionário de carreira, vai para o aeroporto. Como engenheiro, terá a função de acompanhar a obra no aeroporto. 

RECORDE

As mudanças no primeiro e no segundo escalão da atual administração já somam número recorde. A CBN inclusive fez reportagem sobre as mais de 20 mudanças de cargo. E tudo indica que as trocas continuarão acontecendo.

Uma delas, na Secretaria da Mulher. A conferir. 

CIDADANIA

A mudança mais recente foi aprovada no sábado, dia 23 de março. O PPS, Partido Popular Socialista, código eleitoral 23, agora passa a se chamar “Cidadania”.

Roberto Freire, líder nacional do partido, declarou que mudança faz parte de uma transição

Democrática. Ele defende “uma visão internacionalista, global, que não faça diferença entre os seres humanos”.

O Cidadania é presidido no Paraná pelo deputado federal Rubens Bueno e tem um vereador em Maringá, Flavio Mantovani.

Esta é a segunda troca de nome. Na origem o nome era Partido Comunista Brasileira, sigla PCB. Passou a PPS e agora, desde 23 de março de 2019, Cidadania.

 DEMOCRATAS

Um dos primeiros a tomar esta decisão foi o Partido da Frente Liberal, sigla PFL, código eleitoral 25. Fundado em 1985, por dissidência do Partido Democrático Social (PDS), a alteração do nome para Democratas foi oficializada em 28 de março de 2007. O presidente nacional é Antonio Carlos Magalhães Neto, conhecido como ACM Neto, de 40 anos, cumprindo o segundo mandato de prefeito de Salvador, a capital da Bahia. No Paraná o partido é presidido pelo deputado federal Pedro Lupion, de 35 anos, filho do ex-deputado federal Abelardo Lupion e bisneto do governador Moisés Lupion.

Em Maringá o partido deve anunciar nos próximos dias a sua nova direção, tendo como presidente José Luiz Bovo, que também fará a coordenação regional do partido.

José Luiz Bovo é pré-candidato a prefeito de Maringá. Ele foi secretário do município de 2006 a 2016, a maior parte deste tempo acumulando as secretarias de Gestão e Fazenda. De 7 de maio a 31 de dezembro de 2018 foi secretário de Fazenda do Estado do Paraná. 

MDB

Com origem no Movimento Democrático Brasileiro, o PMDB retirou o termo partido do seu nome e voltou a ser apenas MDB. Foi fundado em 4 de dezembro de 1965. É o mais antigo partido registrado no Brasil, com o código eleitoral 15. Continua sendo o maior partido em número de filiados no país (são 2 milhões de emedebistas).

 No final de 2018 o partido renovou o seu diretório estadual, elegendo João Arruda seu presidente no Paraná. O partido está realizando uma ampla reestruturação nos seus diretórios municipais, tendo como meta a organização para as eleições municipais do ano que vem. 

Na região de Maringá a coordenação regional é do vice-prefeito de Mandaguari, Ari Stroher. Ele foi o coordenador regional da campanha do candidato do MDB, João Arruda, a governador. 

PROGRESSISTAS

O Partido Progressista trocou de nome em2017, passando a se chamar PROGRESSISTAS. Número eleitoral 11, o partido tem liderança e história em Maringá, com três gestões a frente da Prefeitura, de 2005 a 2016. Há alguns anos o partido elege deputados estaduais e federais, com residência em Maringá. O deputado federal Ricardo Barros foi ministro da Saúde, de maio de 2016 a abril de 2018. A vice-governadora do Paraná, Cida Borghetti, foi a primeira mulher a governar o Paraná, de abril a dezembro de 2018.

No estado é presidido pela deputada estadual Maria Victoria e em Maringá pelo ex-prefeito Carlos Roberto Pupin. Tem um vereador, Belino Bravin.  

PODEMOS

O Partido Trabalhista Nacional (PTN) se tornou PODEMOS. Sigla PODE, código eleitoral 19. A presidente nacional é a deputada federal Renata Abreu.

No Paraná, o partido tem dois senadores, Alvaro Dias e Oriovisto Guimarães. 

AVANTE

O Partido Trabalhista do Brasil, PTdoB, passou a ser AVANTE. Tem o código eleitoral 70. Surgiu de uma dissidência do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), em 1989. 

PATRIOTA

O Partido Ecológico Nacional, o PEN, código eleitoral 51, se transformou, em 2017, no PATRIOTA.

O partido tem o advogado Eliseu Alves Fortes como pré-candidato a prefeito. 

DEMOCRACIA CRISTÃ

O Partido da Social Democracia Social Cristã, o PSDC, fundado em 1997 por José Maria Eymael, passou a se chamar de DEMOCRACIA CRISTÃ. O código eleitoral é 27. 

PSL

O Partido Social Liberal, o PSL, chegou a anunciar a mudança de nome para LIVRES. Mas voltou atrás. O número eleitoral do PSL é 17. Com o lançamento do candidato a presidente, Jair Bolsonaro, o partido abandonou a ideia da troca do nome. 

PSB

O Partido Socialista Brasileiro, PSB, número 40, foi fundado em 1947. Incorporou a União Democrática Nacional, UDN, e a Esquerda Democrática. O partido chegou a estudar a mudança do seu nome para AGORA!, mas manteve o seu nome de origem.  

REFIS EM MARINGÁ: ESCLARECIMENTOS

Votado em regime de urgência na sessão de quinta-feira, o Programa de Refinanciamento de débitos com a prefeito, Refis, foi proposto por três vereadores – Odair Fogueteiro, Belino Bravin e Altamir dos Santos. 

Um detalhe é muito importante: esta é uma matéria de alçada do Poder Executivo. O caminho certo seria os vereadores entrarem em entendimento com o Executivo que mandaria uma mensagem com um projeto de Refis. Portanto, mesmo que aprovado, poderá ser vetado. 

Uma outra situação. Falei na sexta-feira que o ITBI estaria fora. Com certeza, pois não existe dívida ativa de ITBI. O Imposto sobre a Transmissão de Bens Imóveis é obrigatório para escriturar imóveis. Ou seja, ou o imposto é pago ou a escritura não é feita. Em resumo, não tem dívida ativa de ITBI. 

O Refis proposto pelos vereadores inclui até o momento taxas, multas, ISSQN. Não inclui IPTU. 

Sobre IPTU, o ouvinte Renato escreveu, com algumas propostas: “Em princípio, sou contra REFIS, mas vou aceitar seus argumentos. Para ser justo, proponho que só vale um IPTU por CPF. Quem tem mais de um imóvel em Maringá, não deveria ter direito a perdão de multas e juros, porque aí passa a ser um 'bom negócio' não pagar.

Já para os CNPJs, a conversa tem que ser outra: só para micro e pequenas empresas.

Notícias da mesma editoria