O desafio gigante de mudar
Acompanhe O Assunto é política com Diniz Neto, de segunda a sexta, às 09h40 e às 14h20 (Foto: Rodisley Souza/CBN Maringá)

O Assunto é Política

O desafio gigante de mudar

Por Diniz Neto em 24/06/2019 - 10:25
Player Ouça o boletim

24 de junho, segunda-feira. Começamos a última semana do primeiro semestre de 2019.

Para começar a semana, que é de muita expectativa no país, destaco o twitter que o ministro da Economia, Paulo Guedes, deixou fixados no seu perfil oficial:

“Abortaram a nova previdência, daqui 5 ou 6 anos tem outra reforma se não  reverter essa decisão. Por isso a #PrevidênciaDoGuedes é a solução #euquerocapitalizacao”.

A reforma da previdência que está para ser votada é considerada uma reforma de “coalizão”, longe da reforma necessária e mais profunda para o país.

Vale registrar: a reforma da previdência é só uma das muitas reformas e medidas emergenciais que o país precisa. Temos insistido nesse ponto... pois infelizmente teremos que falar muito sobre isso nos próximos meses e anos.

 PRIVILÉGIOS
O país convive com uma dificuldade gigantesca de cortar privilégios. 
Os favorecimentos e situações particulares estão em muitos lugares, de forma muito especial nos poderes públicos.

Ocorre que todos reconhecem a necessidade de enfrentar os privilégios, até que a sua situação seja uma das que precisa ser mudada. Ou seja, até se admite o privilégio, mas acabar com ele ninguém consegue.

 SEM CONCURSOS PÚBLICOS
Ontem o Estado de São Paulo publicou declaração do presidente Bolsonaro de que dificilmente haverá concursos públicos nos próximos anos, à exceção para a Polícia Federal e Polícia Rodoviária Federal.

Os impostos, que hoje são majoritariamente usados para custeio da máquina pública, chegam a 40% do PIB.

Para se ter uma ideia, a Inconfidência Mineira aconteceu porque os impostos chegaram a 20% das riquezas, o famoso “quinto dos infernos”.

Sobre a declaração do presidente, Paulo Guedes escreveu no seu twitter oficial: “A grana acabou porra (sic)”

 AS DESPESAS PÚBLICAS
De acordo com o ministro Paulo Guedes hoje o setor público gasta o que arrecada para pagar as suas dívidas e seus juros, as folhas de pagamento dos servidores e as aposentadorias dos servidores. Em última análise, no Brasil houve uma inversão total de valores, é o povo que serve ao estado e não o estado que serve a população.

 GOVERNO DO PARANÁ NA REGIÃO
O chefe da Casa Civil do governo do Paraná, Guto Silva, cumpriu agenda na região, no feriado de quinta-feira.

Quem foi destacado para representar a Casa Civil em Maringá e região é o maringaense Rodrigo Pina. Seu trabalho tem sido elogiado pelos prefeitos e lideranças regionais.

 GOVERNO QUER PRIORIZAR CONCLUSÃO DE OBRAS PARADAS
Na sexta-feira, Guto Silva, disse a jornalistas, aqui em Maringá, que o governo está empenhado em um programa para terminar 40 obras que estão paralisadas, algumas desde a Copa.

Um dos exemplos são as escolas que deram origem à operação Quadro Negro. Elas serão finalizadas até março de 2020.

Sobre as obras a serem concluídas na UEM, Guto Silva disse que está sendo estudada a melhor forma de finalizar estas construções. A ideia é marcar o governo por este compromisso com o dinheiro público, concluindo muitas obras paradas, em todas as regiões do Paraná.

 SERVIDORES PÚBLICOS DE MARINGÁ: MULHERES SÃO A GRANDE MAIORIA
Dos cerca de 13.000 servidores públicos da Prefeitura de Maringá, 75% são mulheres.

Ainda segundo o site do Sismmar, 22% dos servidores são professoras (deixamos assim mesmo, no feminino, porque pelo visto são raríssimos os professores em atividade na educação municipal de Maringá.

 MEU CAMPINHO NO BERTIOGA
No feriado, o deputado estadual Do Carmo visitou as obras do “Meu Campinho” no Jardim Bertioga. A benfeitoria foi um pedido do deputado quando ainda era vereador, em Maringá.

Com 1,121 mil metros quadrados e investimento total de cerca de R$ 460 mil, o local contará com diversos aparelhos de lazer para pessoas de todas as idades.

O “Meu Campinho” do Jardim Bertioga contará com campo de futebol de grama sintética, alambrado, playground, parquinho adaptado para crianças com deficiência, academia da terceira idade, paisagismo, iluminação em LED, banheiros e placas de comunicação.

 QUEM É O PAI DO PROJETO MEU CAMPINHO?
No fim de semana a internet se encheu de postagens sobre o “Projeto Meu Campinho”, do governo do Paraná.

Quem é o pai do projeto?

Uma postagem feita na semana passada, no site da Secretaria de Desenvolvimento e Obras Públicas, coloca luz sobre o assunto.

Publicamos aqui as informações, como estão no site:

“Meu Campinho, uma forma quase mágica de resgatar a juventude no Paraná”, avalia Ortega

Preocupado com o avanço das drogas entre adolescentes e jovens, em 2014, o então secretário de Estado do Desenvolvimento Urbano, Ratinho Junior, trouxe da Alemanha para a administração pública do Paraná o modelo do “Programa Meu Campinho”. Atualmente já estão implantados quase 100 Programas, nas mais diversas Regiões do Estado, beneficiando milhares de crianças e adolescentes com oportunidades de mudança de vida. “Além de retirar as crianças e adolescentes dos riscos da violência e das drogas nas ruas. Esta é uma forma quase mágica de resgatar a juventude. Basta ver o entusiasmo das crianças e dos adolescentes, quando se percorre o Paraná”, enfatiza o atual secretário de Estado do Desenvolvimento Urbano e Obras Públicas do Paraná, João Carlos Ortega.

O total de investimentos até o momento é de R$ 38.169.136,20, em 94 unidades, das quais 36 estão em execução. Desse total, 64 foram realizadas com recursos do Programa de Transferência Voluntária da SEDU, ou seja, a fundo perdido, os demais ocorrem pelo Sistema de Financiamento aos Municípios (SFM). O primeiro Meu Campinho, inaugurado em setembro de 2015, foi em Serranópolis do Iguaçu, na Região Oeste do Paraná. O projeto inclui campo de futebol, com grama sintética, alambrados, iluminação, e outros equipamentos esportivos para o lazer de crianças, adultos e idosos. 

“O ‘Meu Campinho’ é um programa de inclusão social, pois a grama sintética, de primeiro mundo, é a mesma usada pelas crianças da Alemanha, além de que elas jogam futebol durante o contra turno das Escolas, sem qualquer prejuízo à educação”, assegura João Carlos Ortega.

Apenas no município de Maringá serão construídos um total de 30 “Meu Campinho”, dos quais 19 já estão em fase de execução. “É um local de lazer que resgata os valores e reúne, em um mesmo local, toda a família”, afirma o hoje governador do Paraná, Carlos Massa Ratinho Junior.

 ESTRADAS DA REGIÃO: DEPUTADO DETALHA PROBLEMAS LISTADOS PELO DER
O deputado estadual Homero Marchese encaminhou pedido de informações ao DER sobre as razões do péssimo estado das estradas da região macronoroeste do Paraná.

A resposta é que as obras de recuperação em centenas de quilômetros de rodovias da região Noroeste do Paraná estão paralisadas por disputas contratuais, possíveis irregularidades e questões burocráticas.

O DER afirma que os trechos da região foram divididos em lotes para efeitos de licitação. O maior deles, o lote 13 do programa COP (Conservação de Pavimento), conta uma extensão de 366,34 quilômetros de dezenas de trechos das rodovias PR-180, PR-218, PR-478 e PR-576, entre outras.

Problemas contratuais fizeram com que, até o momento, tenham sido realizados remendos em apenas 75 quilômetros do trecho total de 366,34 do lote 13.

Nos demais lotes questionados pelo deputado, a situação é ainda pior, segundo o próprio DER. Nos lotes 10 e 12 do programa COP (Conservação de Pavimento), que envolvem respectivamente as PRs 542 (entre Colorado e Itaguajé) e 458 (entre Santa Fé e Guaraci), e as PRs 180 (entre Quarto Centenário e Goioerê) e 369 (entre Fênix e Barbosa Ferraz), uma decisão da 4ª Inspetoria do Tribunal de Contas paralisou o contrato até que se apurem eventuais distorções.

No lote 7 do programa Cremep (Conservação e Recuperação Descontínua com Melhoria do Estado do Pavimento), que conta com trechos das PRs 463, 461, 458, 317 e 542 também há problemas burocráticos, sendo que em apenas alguns quilômetros foram realizadas reformas.

Por fim, o DER traz a situação da PR-323, entre Maringá e Francisco Alves. A resposta do órgão informa que a recuperação da rodovia está dividida em vários lotes. Em nenhum, as reformas avançaram. Há judicialização de alguns trechos e em outros as obras simplesmente não foram iniciadas.

Segundo o deputado Homero Marchese, a reposta do DER revela uma situação grave. As estradas na nossa região estão em péssimo estado, trazendo risco para a vida dos motoristas e prejudicando toda a economia da região. Ele reafirma que vai continuar acompanhando esse processo, monitorando a atuação do DER, do TC e das empresas contratadas para as obras.

Pelo visto a situação vai dar trabalho para o deputado e preocupa sobremaneira a população região macronoroeste.

Com mais de cinco meses de governo estão listados os problemas. O DER não respondeu como pretende resolvê-los.

ADRIANO JOSÉ QUER AUMENTO PARA OS SERVIDORES

O deputado estadual Soldado Adriano José, do PV, cobra do governo a reposição salarial. Lembra que no ano passado, quando era deputado estadual, o governador defendeu o reajuste e, na campanha, assumiu compromisso com os servidores de melhorar os salários dos servidores.

Notícias da mesma editoria