O carnaval, Maringá e a vaca profana
Acompanhe O Assunto é política com Diniz Neto, de segunda a sexta, às 09h40 e às 14h20

O Assunto é Política

O carnaval, Maringá e a vaca profana

Por Diniz Neto em 04/03/2019 - 10:00
Player Ouça o boletim

Dia 4 de março, segunda-feira.

Amanhã, dia 5, feriado de carnaval, a festa mais popular do Brasil.

 CARNAVAL EM ITAMBÉ

Já falamos aqui do carnaval, em Itambé.

Recebi fotos e vídeos do evento. Está mantendo a tradição, com milhares de pessoas, de toda a região e até de mais longe que estão na cidade.

Itambé fica a 40 quilômetros de Maringá. São 25 quilômetros até Floresta e mais 15 até Itambé.

O prefeito Vitão (Vitor Fedrigo) participou de evento para as crianças, fantasiado de palhaço. Recebi os vídeos e fotos. Conheço o Vitão, é uma pessoa popular, antes de ser prefeito. Sabe usar o seu estilo, com humildade e boa dose de sinceridade nos eventos da cidade, como neste caso.

Não é para quem quer, é para quem pode.

 ATÉ BARRA DO CUNAU

Um amigo que está em viagem pelo Nordeste, me mandou uma foto de uma faixa, com o anúncio do Carnaval. Me disse o seguinte: “Até na Barra do Cunhau a gestão pública consegue organizar Carnaval de rua”.

Ironia à parte, o primeiro ponto do problema creio que está identificado: planejamento, ao que eu acrescentaria, gente especializada.

Tem empresas especializadas em eventos. Isto pode fazer a diferença.

Neste caso não estou entrando no mérito se o poder público deve ou não investir dinheiro público em uma festa. Mas é inegável que um Carnaval bem organizado atrai gente, lota hotéis, bares e restaurantes, movimenta economia da cidade.

 VACA PROFANA, VENHA A MARINGÁ!

O tema Carnaval é muito mais complexo e amplo do que parece.

As opiniões se dividem e nem poderia ser diferente. Mas uma coisa parece definitivamente importante: os valores de grande parte da população maringaense. Eles terão que ser levados em conta em qualquer que seja a decisão sobre festas públicas. O contrário pode levar a uma ampla reação contrária, com certeza.

O jornalista Victor Simião, aqui da casa, escreveu na sua excelente coluna “Bloco de Notas”, no portal GMC O Line, o artigo “Vaca Profana, venha a Maringá”.

Ele escreveu o seguinte: “Respeito muito minhas lágrimas, mas ainda mais minha risada e o carnaval de rua. O cancelamento definitivo do evento em Maringá só me faz dizer uma coisa: vaca profana, por favor, venha à cidade”.

No texto ele faz uma pergunta àqueles que dizem que “no seu tempo”, ou seja, em um passado não tão distante, não havia bagunça, bebedeira, uso de drogas e outras maluquices, no Carnaval. Ele pergunta: “Não tinha ou você não via ou você era o jovem bagunceiro e estava tudo bem para você?”

“Ao que parece, as pessoas se esqueceram do tempo que frequentaram a universidade e os clubinhos pagos pelo papai, vaca profana! Talvez quem tenha ficado revoltado com o carnaval de rua e exigido a moral e os bons costumes não se lembre, também, que dirigir depois de beber em uma festa de formatura caríssima ou mesmo depois do happy hour não é correto”.

 ESTUDO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS

O vereador Sidnei Telles, presidente da Comissão de Finanças e Orçamento, está se dedicando ao estudo da prestação de contas do terceiro quadrimestre de 2018.

Ele quer entender vários detalhes da prestação de contas.

Lembrando que ele, assim como outros vereadores, recebeu um relatório no momento do início da audiência pública. Por isto está estudando os números agora, depois da audiência pública.

O relatório impresso deixa fora da prestação de contas muitas informações. Os investimentos, por exemplo, não constam deste relatório.

Tudo indica que teremos questionamentos extras e profundos sobre o relatório apresentado pela Secretaria de Fazenda aos vereadores e à população. Vamos aguardar.

 PROBLEMAS PARA QUARTA-FEIRA DE CINZAS

Uma coisa é certa: o cancelamento do Carnaval não reduziu os problemas da cidade. Mato em excesso, conservação de espaços públicos (a internet ficou lotada de fotos sobre o estado do espelho d’água na praça da Catedral, mais uma obra que ia levar pouco tempo e que está sem ser feita há meses), conservação da frota de veículos do município (parece que há muitos caminhões e equipamentos quebrados, parados, estacionados no pátio de uma secretaria), agilidade nos processos de liberação de projetos, início de novas obras...

Sem dúvida a lista de problemas de Maringá é grande, nos bairros e no centro.

Há quanto tempo a avenida XV de Novembro está sem as suas tradicionais flores no canteiro central? E a conservação e limpeza de outras ruas no centro?

A licitação para varrição foi paralisada pelo Tribunal de Contas. Falta gente e equipamentos para realizar os serviços. Mas as promessas de campanha de uma cidade limpa e linda ainda ecoam em postagens e memes pela internet.

A quarta-feira de cinzas promete muita dor de cabeça. Para quem bebeu demais e para quem tem a responsabilidade de gerir a cidade. 

Lembrando, que ainda dá tempo: Se você vai beber, não dirija. Pode salvar a sua vida e a de outras pessoas. Não é um conselho careta, é um conselho legal.

Notícias da mesma editoria