Maringaenses opinam sobre Jean Wyllys
Acompanhe O Assunto é política com Diniz Neto, de segunda a sexta, às 09h40 e às 14h20

O Assunto é Política

Maringaenses opinam sobre Jean Wyllys

Por Diniz Neto em 25/01/2019 - 10:15
Player Ouça o boletim

Ontem o deputado federal Jean Wyllys, do PSOL do Rio de Janeiro, anunciou que não assumirá o segundo mandato. Ele revelou que tem medo, se sente ameaçado e que o ambiente de Brasília não é seguro para ele. Sua decisão é renunciar ao mandato e sair do país, dedicando-se à carreira acadêmica.

À Folha de São Paulo, com exclusividade, Wyllys disse ontem o seguinte: "Me apavora saber que o filho do presidente contratou no seu gabinete a esposa e a mãe do sicário (referindo-se ao ex-capitão Adriano Magalhães da Nóbrega, investigado por liderar grupo de milícia no Rio de Janeiro). O presidente que sempre me difamou, que sempre me insultou de maneira aberta, que sempre utilizou de homofobia contra mim. Esse ambiente não é seguro para mim”.

Pois esta notícia repercutiu muito forte no Paraná, envolvendo de forma direta a cidade de Maringá, pois três deputados federais eleitos pela cidade se manifestaram sobre a decisão de Jean Wyllys.

Gilson Cardoso Fahur, o Sargento Fahur, do PSD, deputado federal mais votado na eleição de 2018 pelo Paraná, com 314.963 votos, escreveu o seguinte: "Essa é uma ótima notícia". No Twitter, escreveu: "Infelizmente não veremos o duelo Sargento Fahur x Jean Wyllys na Câmara Federal", usando as hashtags "Triste" e "VaiPraCubaJean".

O deputado federal Enio Verri (PT), declarou o seguinte: “A decisão de Jean, assim como as manifestações dessas pessoas, mostra atraso e uma visão medieval da sociedade". Em entrevista por telefone à FOLHA, ele classificou os motivos que levaram à renúncia – ameaças e medo de perder a vida - como "um absurdo".

Verri disse o seguinte: "É um momento muito atrasado da sociedade brasileira e estamos perdendo uma coisa fundamental: o sonho da construção de um país democrático. Num país democrático se respeita religião, orientação sexual, cor... Todos são brasileiros e merecem ser respeitados, como diz a Constituição Federal de 1988; Constituição essa que esse mesmo grupo, aliás, está querendo destruir".  

No Facebook, o deputado federal Ricardo Barros (PP) escreveu o seguinte: "Faço um apelo para reverter o fato de o deputado Jean Wyllys não assumir seu mandato por causa de ameaças. Os deputados representam seus eleitores, que merecem respeito. Precisamos dar condições para que a democracia seja exercida de fato e de direito”. 

E você, caro, ouvinte, caro leitor, o que pensa a respeito? Mande sua opinião – 44 9 9122 8715 – para a CBN 44 9 9877 9550 – e-mail oassuntoepolitica@cbnmaringa.com.br

 

JUSTIÇA DETERMINA PRISÃO DO EX-GOVERNADOR BETO RICHA
A notícia é portal GMC On Line (gmconline.com.br): A Polícia Federal cumpriu na manhã desta sexta-feira (25) um mandado de prisão contra o ex-governador do Paraná Beto Richa (PSDB). A ação foi movida pelo Ministério Público Federal (MPF) por meio da Operação Integração, uma fase da Lava Jato que investigou a concessão de rodovias no Paraná. É o segundo pedido de prisão ao ex-governador em menos de quatro meses, já que Richa foi alvo de mandado de prisão no dia 11 de setembro, pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), em Curitiba. 


Acompanhe aqui na CBN Maringá e no GMC On Line mais informações sobre a prisão de Beto Richa.

ATRASOS EM OBRAS PÚBLICAS

A ouvinte Rosana Merceno me mandou ontem, no e-mail oassuntoepolitica@cbnmaringa.com.br a seguinte mensagem:

Boa Tarde Diniz. Tudo bom? Hoje andando perto da obra do terminal intermodal, o sinal fechou para o pedestre aproveitei e fiquei lendo a placa, com as informações e o prazo de entrega seria 12/02/2019, ou seja, se tudo acontecesse da forma correta, daqui duas semanas seria inaugurado. Por que as obras públicas nunca seguem o prazo pré-determinado? Será que os gestores públicos passam um prazo que sabem que não podem cumprir? Será que não é feito uma análise correta? E quando há a troca de administradores o novo tenta mostrar que tudo que foi feito pela gestão anterior estava errado e refazem todo o processo, acarretando mais custo para os cofres públicos. Abraços. Rosana Merceno”.

O que você cara ouvinte, você amigo ouvinte, acha disso? Opine, mande sua mensagem.

Notícias da mesma editoria