Maringá não está livre de uma epidemia de dengue até o fim do ano, diz secretário
Foto: Luciana Peña/CBN Maringá

Alerta

Maringá não está livre de uma epidemia de dengue até o fim do ano, diz secretário

Saúde por Luciana Peña em 29/07/2019 - 11:03

Nesta segunda-feira (29), a Secretaria de Saúde divulgou o terceiro Lira do ano. O índice médio é de 1,3%. O bairro com maior infestação de larvas do mosquito transmissor da dengue é a Vila Esperança com 3%.

O atual ciclo epidemiológico da dengue, de acordo com a Secretaria de Saúde do Paraná, termina este mês. Em agosto começa uma nova estatística. Maringá chega nesta reta final com 3242 notificações e 741 casos confirmados. Duas pessoas morreram este ano na cidade por causa da dengue. E os focos de larvas do mosquito transmissor não deram trégua nem no inverno. O terceiro Lira do ano aponta 1,3% de infestação média, com pico de 3%, na região da Vila Esperança. A maior parte dos focos foi encontrada, mais uma vez, nos quintais das casas. Por que será tão difícil acabar com estes depósitos de larvas? A agente de endemia Marlise Muniz diz que alguns moradores que acumulam lixo nos quintais têm problemas de saúde e precisam de acompanhamento.

O Lira anterior não tinha sido muito diferente do divulgado nesta segunda-feira. Três meses atrás Maringá estava com 1,4% de infestação média. O secretário de Saúde Jair Biatto diz que o mosquito de adaptou ao clima e está mais resistente. Por isso o combate à doença precisa de novas estratégias. Se as confirmações continuarem neste ritmo, a cidade entra em epidemia até o fim do ano.

O mapa da dengue mostra que o risco para dengue é médio em quase toda a cidade.