Estiagem: Vegetação avança sobre área que era do lago do Parque do Ingá
Estiagem reduz volume de água do lago do Parque do Ingá. Foto: Thiago Louzada

Seca

Estiagem: Vegetação avança sobre área que era do lago do Parque do Ingá

Meio Ambiente por Lethícia Conegero/GMC Online em 23/10/2020 - 08:57

O Parque do Ingá ficou fechado para visitação durante sete meses devido à pandemia do novo coronavírus e, após ser reaberto, no último sábado, 17, revelou à população um cenário completamente diferente devido à escassez de chuva. A estiagem reduziu significativamente o volume do lago principal. 

Vegetação avança sobre área que era do lago do Parque do Ingá. Foto: Thiago Louzada
Vegetação avança sobre área que era do lago do Parque do Ingá. Foto: Thiago Louzada

Em maio, a reportagem do GMC Online atravessou o lago do Parque do Ingá a pé e, em meio ao solo seco, encontrou carcaças de peixes que ficaram represados e morreram quando o nível da água baixou. Agora, o local passa por um processo de regeneração natural, segundo a bióloga e pesquisadora do Núcleo de Pesquisas em Limnologia, Ictiologia e Aquicultura (Nupélia) da Universidade Estadual de Maringá (UEM), Kazue Kawakita. A vegetação está avançando sobre área que era do lago.

Veja o vídeo:

 

Kazue Kawakita, bióloga e pesquisadora do Núcleo de Pesquisas em Limnologia, Ictiologia e Aquicultura (Nupélia) da UEM.

 


 

A UEM, em parceria com a UniCesumar, está desenvolvendo um projeto de iniciação científica para monitorar essa vegetação que está se desenvolvendo naturalmente no entorno do lago. 

A estiagem também secou os lagos do Jardim Japonês do Parque do Ingá.