Estamos sob nova direção
Acompanhe O Assunto é política com Diniz Neto, de segunda a sexta, às 09h40 e às 14h20

O Assunto é Política

Estamos sob nova direção

Por Diniz Neto em 02/01/2019 - 10:25
Player Ouça o boletim

RATINHO JUNIOR ASSUME O GOVERNO DO PARANÁ

O Paraná tem um novo governador. Ratinho Junior assumiu ontem, falando em preparar o estado para o futuro, em reduzir a máquina pública e promover uma grande reestruturação do governo.

Carlos Massa Ratinho Junior destacou que o atual momento exige audácia para romper com velhos padrões arraigados na política brasileira para priorizar investimentos essenciais à população paranaense.

Ele disse, textualmente: “Minha missão é resgatar a confiança das pessoas na política brasileira. Vou enxugar a máquina e acabar com as mordomias no poder público”.

O novo governador enfatizou que é preciso romper com o modelo que, ao longo dos anos, fez com que a máquina pública inchasse e perdesse sua capacidade de investimento. Uma das primeiras medidas, destacou o governador, é diminuir de 28 para 15 o número de secretarias de Estado.

Ele falou dos 16 anos de preparação para ser governador, caminhada que começou com a sua eleição para deputado estadual, em 2002. Depois ele se elegeu deputado federal, cumprindo dois mandatos, e voltou à Assembleia Legislativa em 2014.

UM GOVERNO MARINGAENSE

No dia 31 de dezembro foi concluído um governo do estado com comando maringaense. Cida Borghetti nasceu em Caçador, Santa Catarina, foi adolescente e jovem em Curitiba, mas o seu nascimento político ocorreu em Maringá, quando assumiu o Provopar. Em 2002 foi eleita deputada estadual, reeleita em 2006. É recordista em número de leis, são 101. Destaque para a lei que instituiu o Dia Estadual de Luta contra o Câncer de Mama, 18 de julho. Eleita deputada federal, em 2010, presidiou a Comissão Especial que redigiu e aprovou o Marco Legal da Primeira Infância.

Em 2014 foi eleita vice-governadora e assumiu o governo do Paraná no dia 6 de abril de 2018.

Pela proximidade com Maringá foi grande a participação de maringaenses no governo, com destaque para a Saúde, comandada por Antonio Carlos Nardi, que sucedeu um maringaense de nascimento, Michele Caputo, que agora assumirá uma vaga na Assembleia Legislativa, comando geral da Polícia Militar, com a coronel Audilene, a primeira mulher a comandar a corporação em 164 anos, e o Desenvolvimento Urbano, comandado por um maringaense de nascimento, o ex-prefeito Silvio Barros, e Lucília Dias, chefe de Gabinete. No segundo escalão também se destacaram maringaenses e lideranças da região. Dentre eles, lembro o engenheiro Albari Alves de Medeiros, que teve papel importante na ParanaCidade, o engenheiro Fernando Camargo, diretor geral da Paraná Edificações.

COMO O NOVO GOVERNADOR RECEBEU O PARANÁ

O governo Cida Borghetti entregou o Paraná com salários em dia e um superávit de R$ 2 bilhões, sendo cerca de R$ 700 milhões de recursos livres.

Pelo que percebi, nestas trocas de governo, são raros os estados que têm equilíbrio fiscal.

Municípios como Minas Gerais, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul tem cenários devastadores.

Do setor produtivo veio uma avaliação muito positiva do governo Cida Borghetti. O presidente da Federação das Indústrias, Edson Campagnolo, disse que a marca do governo se encerra foi o diálogo permanente com o setor produtivo e os investimentos de R$ 8,7 bilhões, de abril até dezembro.

O presidente da Fiep afirmou: "Com toda a certeza, Cida deixa um legado que trará resultados positivos ao Paraná, na forma de novos investimentos e reabertura de postos de trabalho”.

REUNIÃO COM A EQUIPE DE GOVERNO

Carlos Massa Ratinho Junior começa hoje o dia com a primeira reunião de trabalho com todos seus secretários. Hoje a pauta é o planejamento do governo para os próximos 120 dias.

Também está marcada para hoje a primeira coletiva no Palácio Iguaçu. Será às 16 horas.

Sobre a equipe de governo. A primeira etapa do estudo para redução das secretarias foi completado pela Fundação Dom Cabral. Este estudo foi pago pelo G7, grupos dos mais importantes setores da economia.

O estudo relacionado aos demais escalões do governo precisa ser feito. Vai exigir uma licitação e será mais demorado e mais complexo.

Até lá, vários secretários acumularão funções.

Notícias da mesma editoria