“Escrever um romance exige mais disciplina”, diz Leonor Cione
"Leonor Cione participou de duas atividades em Maringá" (Foto: Arquivo Pessoal)

Literatura

“Escrever um romance exige mais disciplina”, diz Leonor Cione

Por Victor Simião em 19/10/2019 - 09:45

Autora do “O estigma de L”, ela esteve em Maringá para duas atividades com estudantes de letras. O primeiro romance da escritora foi finalista do prêmio São Paulo de Literatura, um dos mais importantes do Brasil.

Player Ouça a reportagem

A escritora Leonor Cione, de 62 anos, já tinha se aventurado na ficção antes de 2017, por conta publicação de duas histórias para crianças e contos de forma esparsa. Mas foi naquele ano que ela entrou em algo mais complexo: o lançamento do primeiro romance, chamado “O estigma de L”, pela editora Quelônio. A narrativa envolve memória, esquecimento, relações familiares e o ser mulher. A protagonista, Liliana, há quase duas décadas em um sanatório, tem amnésia e só aos poucos se reencontra.

O livro foi finalista do prêmio São Paulo de Literatura, na categoria Autor Estreante com Mais de 40 anos, em 2018.

A escritora esteve em Maringá para duas atividades com estudantes do curso de letras da UEM (Universidade Estadual de Maringá). Questionada se para escrever um romance é necessário ter experiência de vida, Leonor disse que não necessariamente para todos; para ela sim. Um romance exige mais disciplina e técnica, afirmou.

“O estigma de L.” recebeu avaliações positivas dos leitores e da crítica , com comentários que dizem ter havido surpresas ao longo da narrativa.

Segundo Leonor, ela queria falar sobre a condição da mulher, da maternidade. E é aí que entra a amnésia, que serviu de deslocamento para a construção do enredo. “O estigma de L” vem com um mini almanaque com as informações que auxiliam Liliana a construir a sua identidade.

Leonor Cione esteve em Maringá a convite do professor e escritor Flávio Vassoler.

 

Notícias da mesma editoria