Eleição confirma vontade de mudanças e surpresas
Acompanhe O Assunto é política com Diniz Neto, de segunda a sexta, às 09h40 e às 14h20

O Assunto é Política

Eleição confirma vontade de mudanças e surpresas

Por Diniz Neto em 29/10/2018 - 10:05
Player Ouça o boletim

JAIR BOLSONARO ELEITO PRESIDENTE DA REPÚPLICA
O candidato do PSL, Jair Bolsonaro, recebeu 57.797.456, equivalentes a 55,1% dos votos
válidos. O candidato do PT, Fernando Haddad, obteve 47.040.820 votos, 44,9% dos votos
válidos.
A votação ficou nos percentuais das últimas pesquisas.
Jair Bolsonaro tem 63 anos.
No seu primeiro pronunciamento, ainda pela internet, tinha à sua frente, na mesa, uma Bíblia,
a Constituição e a biografia de Winston Churchill, que foi primeiro ministro da Inglaterra por
duas vezes, durante a segunda grande guerra, 1940 a 1945, e de 1951 a 1955. Foi, sem dúvida,
uma das mais importantes personalidades do século XX.
Além da defesa da Constituição, citou pelo menos duas vezes o verso bíblico de João 8:32, em
que Jesus Cristo afirma: “E conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”.
Sobre economia falou de redução do tamanho do estado, do pacto federativo e de
aquecimento econômico: “Emprego, renda e equilíbrio fiscal é o nosso compromisso para
ficarmos mais próximos de oportunidades e trabalho para todos”.
Para os jovens, falou de acabar com a estagnação da economia.
No discurso não se referiu ao concorrente.

FERNANDO HADDAD FALA EM CONTINUIDADE DA MILITÂNCIA POLÍTICA
Fernando Haddad fez um pronunciamento em que não cumprimentou o presidente eleito.
Disse que a população não precisa ter medo porque ele e o seu partido continuarão ao lado do
povo, dos mais pobres, dos que mais precisam.
Falou em resistência e oposição. Disse que não abandonará a sua profissão e nem a militância
política.
Fernando Haddad obteve uma votação expressiva. 44,9% dos votos, 47 milhões de votos.
Porém, o futuro do Partido dos Trabalhadores depende de muitas variáveis, a começar pelas
investigações, processos e decisões judiciais sobre Lula e outros líderes do partido e aliados.

UMA NOVA POLÍTICA
A vitória de Jair Bolsonaro é muito representativa de um movimento de mudança que
começou com as manifestações de 2013 e se estendeu, ao longo do tempo, para a internet.
Jair Bolsonaro era um deputado federal do baixo clero, sem maior importância no
Congresso Nacional, cumprindo seu sétimo mandato consecutivo (desde 1º de fevereiro de
1991).
Mas não é o único fenômeno desta eleição.
Em Minas Gerais, Romeu Zema (NOVO), venceu PT e PSDB. Sua presença no segundo turno foi
uma grande surpresa e o resultado final arrasador. Teve 71,80% dos votos.
No Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), desconhecido, venceu Romário e o ex-prefeito Eduardo
Paes.

Em Santa Catarina o desconhecido Comandante Moisés (PSL), militar da reserva do corpo
Bombeiros, fez 71% dos votos.
No Rio Grande do Norte a única mulher eleita governadora: a professora Fátima Bezerra (PT),
com 57,60% dos votos. Era senadora e já havia cumprido três mandatos de deputada federal.
No Rio Grande do Sul, uma tradição e uma novidade: os gaúchos nunca reelegeram um
governador. O eleito, com 33 anos, será o mais jovem governador da história, Eduardo Leite
(PSDB). Formado em Direito, foi vereador, presidente da Câmara e prefeito de Pelotas.

PT FOI O PARTIDO QUE ELEGEU MAIS GOVERNADORES, EM 2018
Dos 26 estados e Distrito Federal, só sete foram reeleitos. Uma mudança também.
Detalhe: o Nordeste reelegeu seis destes sete governadores. O outro foi do Mato Grosso Sul –
Centro-Oeste.
O PT foi o partido que fez mais governadores: quatro, no Nordeste: Bahia, Ceará, Piauí e Rio
Grande do Norte.
Fizeram três governadores:
PSL, Roraima, Rondônia e Santa Catarina
PSDB, Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul e São Paulo.
MDB, Alagoas, Pará e Distrito Federal
PSB, Espírito Santo, Paraíba e Pernambuco
Fizeram dois governadores:
PSD, Paraná e Sergipe
DEM, Goiás e Mato Grosso
Fizeram um governador:
PP, Acre
NOVO, Minas Gerais
PHS, Tocantins
PCdoB, Maranhão
PDT, Amapá