Advogado de cervejaria onde angolanos foram agredidos dá explicações
Screenshot/Vídeo/Divulgação

Caso angolanos

Advogado de cervejaria onde angolanos foram agredidos dá explicações

Segurança por Luciana Peña em 12/11/2020 - 12:22

Advogado explica como começou a confusão. Segundo a empresa, um dos angolanos tentou entrar no estabelecimento sem máscara depois de ser alertado mais de uma vez. A cervejaria diz que não houve racismo.

O caso aconteceu no último domingo, mas ganhou repercussão no início da semana depois que as imagens da agressão se tornaram públicas.

No vídeo dois angolanos são agredidos por um grupo de pessoas dentro de uma cervejaria em Maringá, desmaiam e são arrastados para fora.

A CBN havia tentado falar com o proprietário da cervejaria nessa quarta-feira, mas não conseguiu.

Nesta quinta-feira, conseguimos o contato do advogado que representa a empresa na investigação que vai apurar se houve crime de lesão corporal ou racismo.

O advogado João Vitor Ritter diz que nenhum funcionário, em nenhum momento, foi racista.

Segundo ele, os angolanos estavam nas mesas do lado de fora da cervejaria desde às 18h30 de sábado. A confusão começou perto das 23h, horário de fechamento seguindo o decreto municipal de regras sanitárias.

Um dos angolanos tentou entrar sem máscara por mais de uma vez, foi alertado e na última tentativa invadiu a cervejaria, diz o advogado que divulgou novas imagens. [ouça no áudio acima]

O caso teve sequência no domingo quando os angolanos foram conversar com o gerente da cervejaria e teve nova confusão envolvendo um ex-policial militar que trabalhava de segurança no local. Esse ex-policial publicou um vídeo na internet com expressões racistas. 
Segundo o advogado, a empresa não concorda com a conduta do ex-policial e não compartilha das opiniões dele. [ouça no áudio acima]

A CBN não conseguiu contato com o ex-policial.