Codiv-19: Qual é a situação das 7 maiores cidades do Paraná?
Imagem Ilustrativa/Freepik

Panorama

Codiv-19: Qual é a situação das 7 maiores cidades do Paraná?

Paraná por Portal GMC Online em 14/04/2020 - 16:23

O primeiro caso confirmado de covid-19 no Paraná foi registrado no dia 11 de março, em Curitiba. O paciente, um homem de 54 anos, retornou da Europa no início do mês. Hoje, ele está recuperado da doença.

Desde então, o novo coronavírus se espalhou por outras cidades do Estado. Veja qual a atual situação da covid19 nos sete maiores municípios paranaenses: Maringá, Curitiba, Londrina, Ponta Grossa, Cascavel, São José dos Pinhais e Foz do Iguaçu.

Maringá

O primeiro caso positivo do novo coronavírus em Maringá foi confirmado no dia 18 de março. Segundo dados do último boletim da prefeitura, divulgado nesta segunda-feira, 13, atualmente o município tem 49 casos confirmados da covid-19 e 302 suspeitos em acompanhamento, por terem apresentado algum dos sintoma. Desses, 23 estão internados. Os casos descartados somam 884.

Mais de 30 pessoas que testaram positivo para coronavírus em Maringá já estão recuperadas. O número representa 65% do total de pacientes que tiveram a doença confirmada.

Até agora, o município registrou cinco mortes por complicações da doença. Com isso, a taxa de letalidade é de 10,2%. Com uma população estimada de 423.666 habitantes, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2019, o município tem taxa de 1,18 morte para cada 100 mil pessoas.

De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), os leitos disponíveis no Sistema Único de Saúde (SUS) voltados para atendimento à pacientes com covid-19 em Maringá atualmente são: 40 leitos de UTI Adulto, nove UTI Pediátrica e 108 leitos de enfermaria.

Em nota, a Sesa informou que “todos os hospitais que atendem SUS estão aptos a atender pacientes com suspeita ou confirmação de covid-19", e reforçou que "a quantidade de leitos exclusivos para pacientes covid-19 aumentam gradativamente de acordo com a necessidade”.

Para enfrentamento ao novo coronavírus, o prefeito de Maringá, Ulisses Maia, publicou decreto nº445/2020, com prazo de 30 dias, que declarou situação de emergência no município e definiu a proibição de atividades comerciais não essenciais na cidade.

Mas, por meio de liminares obtidas na Justiça ou flexibilização do decreto por parte do município, algumas atividades que estavam suspensas já foram liberadas, como padarias, açougues, peixarias, lotéricas, lojas de materiais de construção, lojas de conveniência de postos de combustíveis, indústria e construção civil.

Por meio de um novo decreto publicado no dia 23 de março, o município também impôs toque de recolher das 21h às 5h e suspendeu as atividades da rodoviária de Maringá.

Curitiba

Na capital, o primeiro caso confirmado foi também o primeiro registrado no Paraná, no dia 11 de março. De acordo com o boletim divulgado pela prefeitura nesta segunda-feira, 13, a cidade tem 343 casos confirmados de covid-19. Destes, 107 estão liberados do isolamento. Os suspeitos somam 127 e os descartados 842.

Curitiba é a cidade com o maior número de casos confirmados e óbitos no Estado. Até agora, foram seis mortes por complicações do novo coronavírus. A taxa de letalidade da doença no município é de 1,74%. Com 1.933.105 habitantes, a cidade tem 0,31 mortes a cada 100 mil pessoas.

Dos leitos do SUS voltados para atendimento à pacientes com covid-19, o município dispõe atualmente de 118 leitos de UTI Adulto, seis de UTI Pediátrica e 253 de enfermaria, de acordo com a Sesa. A quantidade aumenta gradativamente, conforme a necessidade.

Desde 16 de março, Curitiba está em Situação de Emergência em Saúde Pública, conforme Decreto nº 421/2020, assinado pelo prefeito Rafael Greca. Além dos supermercados, os restaurantes, lanchonetes, bares, padarias, lojas de conveniência, feiras livres e lojas em geral (roupas, sapatos e acessórios), mantêm-se em funcionamento em Curitiba, respeitando orientações de distanciamento e limpeza.

A recomendação da prefeitura, porém, é para permanecerem abertos apenas comércio e serviços considerados essenciais, como alimentação, farmácias, abastecimento e outros setores necessários. Os shoppings, casas noturnas, academias, salões de beleza, devem obrigatoriamente permanecer fechados.

Londrina

Em Londrina, o primeiro caso de coronavírus foi confirmado no dia 17 de março. A paciente é uma mulher de 52 anos que esteve na Europa. Segundo o boletim divulgado pela prefeitura nesta segunda-feira, 13, a cidade tem 72 casos confirmados da covid-19, destes, 11 estão internados, 9 em isolamento domiciliar e 48 recuperados. A cidade é a segunda do Paraná com o maior número de casos positivos.

No total, 51 pacientes estão com suspeita da doença e 554 foram descartados. Até agora, foram quatro óbitos. A taxa de letalidade do coronavírus em Londrina é 5,5%. Com uma população estimada de 569.733 pessoas, o município tem 0,70 morte a cada 100 mil habitantes.

O número de leitos disponíveis no SUS atualmente para atendimento à pacientes com covid-19 em Londrina é: 36 na UTI Adulto, dois na UTI Pediátrica e 76 na enfermaria. A quantidade aumenta gradativamente, conforme a necessidade.

O prefeito de Londrina, Marcelo Belinati Martins, decretou estado de emergência no dia 19 de março. Com isso, ficou determinada a suspensão, pelo prazo de 15 dias corridos, das atividades comerciais consideradas não essenciais, como shoppings, restaurantes, lanchonetes, bares, casas noturnas, academias e comércio em geral. Apenas supermercados, farmácias, postos de combustíveis e distribuidoras de água e gás foram autorizadas a manter as atividades.

O decreto passou a valer no dia 23 de março e foi prorrogado por duas vezes. Com isso, o comércio ficará suspenso até dia 20 de abril. A indústria e a construção civil estão autorizadas a funcionar a partir desta quintafeira, 15.

Também a partir desta quarta-feira, 15, o uso de máscaras será obrigatório em ônibus, supermercados, farmácias e outros estabelecimentos.

Cascavel

O primeiro caso positivo de coronavírus em Cascavel foi divulgado pela prefeitura no dia 22 de março. A paciente é uma mulher de 42 anos que viajou aos Emirados Árabes.

De acordo com o boletim da prefeitura, atualizado nesta segunda-feira, 23, Cascavel é a terceira cidade com o maior número de casos confirmados no Paraná. No total, 59 pacientes testaram positivo para o novo coronavírus. Destes, 42 já estão recuperados e tiveram alta do isolamento domiciliar. 21 casos estão em investigação e 184 fizeram exames e foram descartados.

Até agora, a cidade registrou duas mortes por complicações da covid-19. A taxa de letalidade da doença no município é 3,3%. Com 328.454 habitantes, a cidade tem 0,60 morte a cada 100 mil pessoas.

De acordo com dados da Sesa, atualmente, os leitos do SUS voltados à pacientes com covid-19 somam dez de UTI Adulto e 20 de enfermaria. A quantidade aumenta gradativamente, conforme a necessidade.

Além disso, a Prefeitura de Cascavel informou que um hospital de campanha foi montado no Centro de Convenções e Eventos, com 59 leitos, e estão sendo preparados no Hospital de Retaguarda outros dez leitos de UTI e 28 enfermarias exclusivas para covid-19.

Dentre as medidas para enfrentamento da pandemia, o prefeito de Cascavel, Leonaldo Paranhos da Silva, publicou no dia 19 de março o decreto municipal nº 15.313/2020, ocasião em que as atividades comerciais não essenciais foram suspensas.

No dia 7 de abril, contudo, o comércio foi reaberto parcialmente, por meio da operação “Retomada Segura”. Foi autorizado o funcionamento dos estabelecimentos que possuem até nove funcionários registrados em carteira. Lojas com mais de nove colaboradores não podem abrir, mesmo que reduzam o quadro de trabalhadores.

Os restaurantes e padarias não foram fechados, mas houve restrições. O funcionamento é permitido no período diurno, com redução de 50% da capacidade de público. Já as lanchonetes e bares foram proibidos de abrir pelo decreto municipal.

Desde o dia 23 de março, Cascavel tem toque de recolher das 20h às 6h. Além disso, a rodoviária permanece fechada.

Ponta Grossa

O primeiro caso confirmado de coronavírus em Ponta Grossa foi confirmado no dia 21 de março. O município divulga os dados do boletim da Sesa diariamente. No último, desta segunda-feira, 13, eram cinco casos confirmados da covid-19, dez suspeitos e 121 descartados. Até agora, nenhum óbito foi registrado.

Ponta Grossa tem 351.736 habitantes, segundo estimativa do IBGE. Atualmente, o número de leitos do SUS disponíveis para pacientes com covid-19 na cidade são dez de UTI Adulto e 20 de enfermaria. A quantidade aumenta gradativamente, conforme a necessidade.

O prefeito de Ponta Grossa, Marcelo Rangel Cruz de Oliveira, decretou situação de emergência em saúde pública no dia 18 de março. Para restringir a circulação de pessoas na cidade e diminuir aglomerações, a prefeitura suspendeu o comércio da cidade a partir de 23 de março, por meio de decretos municipais. As farmácias, supermercados, padarias, lojas de conveniência e oficinas mecânicas foram mantidas.

Mas, um novo decreto municipal autorizou a reabertura do comércio de rua em geral no dia 6 de abril, para a retomada econômica da cidade. As lojas podem abrir das 10h às 16h, com sistema de rodízio estipulado pela prefeitura, e restrições.

Os restaurantes, lanchonetes e bares podem funcionar com retirada no balcão e delivery. A circulação de pessoas nos supermercados deverá atender regras, como limite de clientes no interior da loja.

São José dos Pinhais

O primeiro caso positivo de covid-19 em São José dos Pinhais foi registrado no dia 30 de março. O paciente é um homem de 44 anos. Segundo dados atualizados desta segunda-feira, 13, da Sesa, e também divulgados pela prefeitura, o município tem 15 casos confirmados de coronavírus, um suspeito e 142 descartados.

Até agora, a cidade não registrou nenhum óbito pela doença. A população estimada, segundo o IBGE, é de 323.340 habitantes.

A Secretaria de Estado da Saúde informou que, embora São José dos Pinhais não tenha leitos específicos já ativados para pacientes da covid-19, todos os hospitais que atendem SUS estão aptos a atender, seja pacientes com suspeita ou confirmação da doença.

Por meio do Decreto n° 3.728, de 20 de março, o prefeito Toninho Fenelon decretou Situação de Emergência em São José dos Pinhais.

Com base no decreto federal nº 10.282/2020, de 20 de março, e no decreto estadual 4.317/2020, de 21 de março, que está sendo seguido pelo município, são considerados essenciais e estão autorizados a funcionar em São José dos Pinhais: restaurantes (presencial, delivery ou drive thru), padarias, açougues, peixarias, mercearias, lojas de conveniência, feiras, lotéricas, indústria, construção civil, clínicas veterinárias, dentre outros. Além dos supermercados, farmácias, postos de combustíveis e distribuidoras de água e gás. Há recomendações acerca do distanciamento nestes locais e práticas de limpeza.

Foz do Iguaçu

Em Foz do Iguaçu, o primeiro caso confirmado de coronavírus foi registrado no dia 18 de março. Foi uma mulher de 33 anos que retornou de viagem da Europa. No último boletim, divulgado pela Secretaria Municipal de Saúde nesta segunda-feira, 13, a cidade tinha 30 casos confirmados da doença, 92 suspeitos e 339 descartados.

Foz do Iguaçu não registrou nenhum óbito por complicações da covid-19 até o momento. A população estimada, segundo o IBGE, é de 258.532 habitantes.

Atualmente, os leitos disponíveis no SUS voltados para atendimento à pacientes com covid-19 na cidade são: 17 de UTI Adulto e 53 de enfermaria. Segundo a Sesa, a quantidade aumenta gradativamente, conforme a necessidade.

Para conter o vírus, o prefeito de Foz do Iguaçu, Francisco Lacerda Brasileiro, também decretou estado de emergência e suspendeu as atividades comerciais não essenciais na cidade, por meio do decreto nº 27.980, de 19 de março.

Mas, diversos segmentos já foram autorizados a reabrir a partir desta segunda-feira, 13. Os estabelecimentos que já funcionam normalmente são: óticas, lavanderias, barbearias e salões de beleza, clínicas médicas e similares, psicológicas, odontológicas, fisioterápicas, fonoaudiológicas, nutricionista e personal trainer.

Além de atelier de costuras, lojas de tecidos e aviamentos (com até 3 funcionários no máximo), lojas de materiais de construção, vidraçarias, oficinas mecânicas, manutenção, reparação e comércio de peças de automóveis, comércio e oficinas de refrigeração e bicicletarias, com atendimento somente por agendamento e/ou teleentrega.

Todo o comércio seria reaberto de forma gradual a partir desta segunda-feira, 13, mas o prefeito resolveu esperar um pouco mais porque a cidade registrou transmissão comunitária da covid-19.

Nos supermercados, a prefeitura determinou que a população deve, obrigatoriamente, usar máscaras. Além disso, a entrada de crianças e idosos acima de 60 anos está proibida.

As aulas nas escolas públicas e privadas continuam suspensas nos sete maiores municipios do Paraná.

Por Lethícia Conegero / Portal GMC Online