Voto é poder para a igualdade da mulher
Acompanhe O Assunto é política com Diniz Neto, de segunda a sexta, às 09h40 e às 14h20

O Assunto é Política

Voto é poder para a igualdade da mulher

Por Diniz Neto em 21/08/2018 - 10:51
Player Ouça o boletim

TEMPO 21 de agosto, terça-feira. Faltam 47 dias para o primeiro turno das eleições 2018, no domingo, 7 de outubro. A propaganda de rádio e TV terá início no dia 31 de agosto e prosseguirá até 4 de outubro. No segundo turno, de acordo com o calendário eleitoral, começa no dia 12 e prossegue até 26 de outubro. A eleição no segundo turno está marcada para o domingo, dia 28 de outubro.

 

MINISTRAS DO STF CONCLAMAM MULHERES A BUSCAR IGUALDADE PELO VOTO

A ministra Cármen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), e a ministra Rosa Weber, também do Supremo e presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), fizeram apelo nesta segunda-feira, dia 20, para que as mulheres exerçam seu direito a voto com consciência, de modo a aumentar a participação feminina na política.

As duas participaram do seminário “Elas por Elas”, organizado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), sobre a temática da mulher no poder estatal e na sociedade.

Durante o evento foi comemorado o fato inédito de mulheres ocuparem nesta semana, simultaneamente, os cargos máximos de cinco órgãos de Justiça brasileiros. Participaram do do evento a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia; a presidente do Superior Tribunal Eleitoral (TSE), Rosa Weber; a presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Laurita Vaz; a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, e a advogada-geral da União, Grace Mendonça.

Durante o encontro, a presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministra Rosa Weber, disse que as mulheres são sub-representadas na política. Segundo a ministra, embora as mulheres representem 52% do eleitorado, o número de candidaturas femininas nas eleições de outubro ficou próximo do mínimo de 30% exigido pela legislação eleitoral.

“Há uma verdadeira sub-representação feminina na política brasileira, sem falar nas candidaturas laranjas, fantasmas ou fictícias, de mulheres que não tiveram um voto sequer, nem o delas mesmas”, afirmou a ministra.

A presidente do Supremo, Cármen Lúcia, afirmou ser excepcional o fato de tantas mulheres ocuparem posições de poder no campo da Justiça, e que isso somente intensifica os preconceitos, não os diminui. Ela defendeu que as mulheres tomem consciência de sua condição feminina para avançar na libertação de outras que ainda não têm a liberdade de falar, pensar e se posicionar no mundo.

“Para não termos mais o quadro que a ministra Rosa Weber acaba de traçar aqui, em termos de representação, é preciso que a mulher esteja presente para se fazer representar”, afirmou Cármen Lúcia, também conclamando as eleitoras a fazerem diferença pelo voto na busca pela igualdade.

 

BRASIL TEM 28 CANDIDATAS AO GOVERNO, EM 18 ESTADOS E NO DISTRITO FEDERAL

28 mulheres serão candidatas ao governo em 18 estados e no Distrito Federal. Em oito estados somente homens são candidatos a governador: Alagoas, Amapá, Amazonas, Ceará, Mato Grosso, Pará, Rio Grande do Sul e Rondônia.

As candidatas são:

Acre – Janaína Furtado (Rede) – 18

Bahia – Célia Sacramento (Rede) – 18

DF – Eliana Pedrosa (Pros) – 90 e Fátima Sousa (PSOL) – 50

Espírito Santo – Jackeline Oliveira Rocha (PT) – 13 e Rose de Freitas (Podemos) – 19

Goiás – Alda Lúcia Souza (PCO) – 29 e Kátia Maria (PT) – 13

Maranhão – Roseana Sarney (MDB) – 15

Mato Grosso do Sul – Simone Tebet (MDB) – 15

Minas Gerais – Dirlene Marques (PSOL) – 50

Paraíba – Rama Dantas (PSTU) – 16

Paraná – Cida Borghetti (Progressista) – 11 e Priscila Ebara (PCO) – 29

Pernambuco – Ana Patrícia Alves (PCO) – 29; Dani Portela (PSOL) – 50 e Simone Fontana (PSTU) – 16

Piauí – Lourdes Melo (PCO) – 29; Luciane Santos (PSTU) – 16 e Sueli Rodrigues (PSOL) - 50

Rio de Janeiro – Dayse Oliveira (PSTU) – 16 e Márcia Tiburi (PT) – 13

Rio Grande do Norte – Fátima Bezerra (PT) – 13

Roraíma – Suely Campos (PP) – 11

Santa Catarina – Ingrid Assis (PSTU) – 16

São Paulo – Professora Lisete (PSOL) – 50

Sergipe – Gilvani Santos (PSTU) – 16

Tocantins – Bernadete Aparecida (PSOL) – 50

Estados com três candidatas ao governo: Pernambuco e Piauí.

Estados com duas candidatas: Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Paraná e Rio de Janeiro.

 

O PARANÁ TEM 434 CANDIDATOS A DEPUTADO FEDERAL REGISTRADOS

Os partidos e coligações registraram 434 candidatos a deputado federal, no Paraná.

Destes, cerca de 130 são mulheres, totalizando os 30% exigidos pela legislação. São mais de 14 candidatos para cada uma das 30 vagas da bancada paranaense.

 

NO PARANÁ SÃO 742 CANDIDATOS A DEPUTADO ESTADUAL REGISTRADOS

Os partidos e coligações registraram 742 candidatos a deputado estadual, no Paraná, são aproximadamente 220 mulheres concorrendo a uma das 54 vagas na Assembleia Legislativa do Estado. São quase 14 candidatos por vaga.

 

MULHERES CANDIDATAS PELA REGIÃO DE MARINGÁ

Em Maringá, a única candidata a uma vaga na Câmara dos Deputados é Michel Duran, do PV. Na região há outras candidatas. Podem encaminhar para a CBN os nomes – e-mail oassuntoepolitica@cbnmaringa.com.br.

Candidatas a uma vaga na Assembleia Legislativa temos Maria Victória, que hoje é eleitora em Curitiba, mas nasceu em Maringá e foi eleita pela cidade na sua primeira eleição, em 2014. Margot Jung, pelo PT. Em Paiçandu, a advogada Eliane Fuzari é candidata pelo PSD. Com certeza há outras candidatas na região. Podem mandar as informações para a CBN.

 

PRESENÇA DAS MULHERES DO PARANÁ NA BANCADA FEDERAL E NA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA

Em Brasília, o Paraná tem uma senadora, Gleisi Hoffmann, do PT, que está encerrando o seu mandato e será candidata a deputada federal. Na bancada paranaense na Câmara dos Deputados, composta de 30 parlamentares, são apenas duas mulheres: Christiane Yared (PR) e Leandre Dal Ponte (PV), as duas candidatas à reeleição. Uma representação de apenas 6,6%.

Na Assembleia Legislativa são três deputadas estaduais: Cantora Maria Lima (PSC), Cláudia Pereira (PSC) e Maria Victória (PP). Apenas 5,5% das cadeiras são ocupadas por mulheres.

 

UMA MULHER NA CÂMARA DE MARINGÁ

E hoje, na sessão da Câmara, assumirá uma cadeira a professora Vilma, do PT. Ela substituirá o vereador Mario Verri, que se licencia para se dedicar totalmente à sua campanha a deputado estadual.

Para se ter uma ideia de como temos poucas mulheres eleitas no Paraná, a partir de agora a representação feminina na Câmara de Maringá passa ter o mesmo percentual da bancada federal, ou seja, 6,6%.

 

NÚMERO DE CANDIDATOS REGISTRADOS NO BRASIL PARA AS ELEIÇÕES 2018

Presidente e vice: 13 (26 nomes)

Governado e vice: 199 (398 nomes)

Senador: 348 candidatos (mais 348 primeiros suplentes e 347 segundos suplentes)

Deputado federal 8.142

Deputados estaduais e distritais: 18.027

Sendo assim, temos no Brasil, 27.636 candidatos registrados para as eleições 2018.

Notícias da mesma editoria