O Paraná não é um paraíso
CBN Maringá

Opinião

O Paraná não é um paraíso

O comentário de Gilson Aguiar por Gilson Aguiar em 13/06/2022 - 08:41

O Paraná é o estado com a menor renda e a maior desigualdade entre os Estados do Sul do Brasil. Hoje, a renda média dos paranaenses é de R$ 1.529,00. Inclusive uma queda de 5% em relação ao ano de 2020.

O Estado perde para o Rio Grande do Sul, com uma renda média de R$ 1.767,00, e para Santa Catarina, com uma renda de R$ 1.685,00. Também está abaixo da renda de São Paulo, Rio de Janeiro e Distrito Federal.

Outra característica da riqueza no Estado é sua desigualdade. 10% da população mais rica contém 36,6% da riqueza. Metade dos mais pobres fica com 19,3%. Se pecarmos 50% dos que tem a melhor renda, eles ficam com mais de 80% da riqueza do Paraná. O que leva os mais ricos a ganharem 149 vezes mais que os mais pobres.

Este encantamento pelo Estado como se a riqueza estivesse disponível para todos é uma falácia. O grau de especialidade dos paranaenses continua extremo. As regiões de maior investimento continuam concentradas. As principais cidades do Estado detêm mais da metade da riqueza. Concentrando a população e fazendo com que as periferias das cidades polos arregimentem trabalhadores vivendo a margem da riqueza.

Não podemos considerar a desigualdade no Estado como se ela fosse algo pontual e distante da riqueza. As regiões se avizinham e os mais pobres estão do lado dos mais ricos.

Precisamos mudar isso. E a forma é o investimento na qualificação e nas condições estruturais da população de baixa renda. Temos que melhorar o rendimento através da produtividade e não da transferência pura e simples de renda sem um propósito. Isto gera acomodação pelo mais pobre e um ambiente propício para a exploração do mais rico.

Cada vez mais investimos em ambientes de acesso a qualidade de vida estão afastados entre os mais ricos e os mais pobres. Eliminamos a condição de convivência entre a população de baixa renda. Observe, estamos cada vez mais distantes fisicamente entre as regiões da “plena satisfação” e da carência absoluta.  

Observe as regiões metropolitanas, moramos lado a lado e não convivemos. Isolamos e buscamos o distanciamento para que as carências de uma parte não venham a prejudicar o sentimento de abundância e bem-estar da outra.

Mas este não é um problema só nosso. Esta é uma tendência mundial. Uma condição que o mundo vive em uma escala variável, assim como a distribuição espacial destas áreas. A sociedade de consumo não deseja conviver como os que não podem consumir.

A ilusão do shopping eterno e dos grandes condomínios fazem com que parte dos ávidos consumidores não queiram acordar de seu sonho. Para isso, “erguem os muros”. 

Quer fazer contato com Gilson Aguiar, encaminhar uma sugestão? Envie uma mensagem para o WhatsApp da CBN Maringá. O número é (44) 99877 9550