Maringá terá a primeira Unidade de Progressão do Paraná
foto: Geraldo Bubniak/AEN

Sistema prisional

Maringá terá a primeira Unidade de Progressão do Paraná

Segurança por Luciana Peña em 22/08/2020 - 09:25

É um modelo novo para presos do regime fechado prestes a ter direito à progressão de pena. A diferença é que todos os presos vão trabalhar e estudar. A Unidade de Progressão terá capacidade para 360 homens e vai funcionar onde hoje é a Cpim, Colônia Penal Industrial de Maringá. 

A Cpim, Colônia Penal Industrial de Maringá, tem uma estrutura privilegiada para a ressocialização de presos. Nela ficam os presos em regime semiaberto. Lá dentro tem uma panificadora, uma fábrica de máscaras e uma de blocos de concreto, uma horta e um lava-car.

Mas a unidade está ganhando novas instalações. Um galpão para receber uma empresa de materiais esportivos está pronto e novas fábricas vão se instalar na unidade.

O investimento já passa de 800 mil reais.

Tudo isso porque o Depen, Departamento Penitenciário do Paraná, pretende transformar a Cpim numa Unidade de Progressão. Será a primeira do Paraná e promete ser modelo no país.

A Unidade de Progressão irá receber presos do regime fechado. Serão 360 vagas para presos que estão prestes a ganhar o direito de progressão de pena, que não pertençam a facções criminosas, não tenham cometido crimes hediondos e apresentem bom comportamento.

O diretor da Cpim, Osvaldo Messias Machado, explica que o objetivo é que estes presos cumpram a pena trabalhando e estudando.

Quando o preso trabalha e estuda não é só ele e a família dele que saem ganhando. O Estado também. Um preso no Paraná custa em média 3 mil reais ao mês, diz o coordenador regional do Depen, Luciano Brito. Na Unidade de Progressão, o custo será menor.

600 detentos de Maringá e região estão aptos a participar do projeto. Eles serão avaliados e assinarão um documento de compromisso com o projeto. Os presos do semiaberto irão cumprir medidas alternativas de penas, como tornozeleira eletrônica e a Unidade de Progressão ficará apenas para presos do regime fechado.